Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Viagens na nossa terra #1

E uma das resoluções de 2016 foi passear mais por cá. Às vezes estamos loucos para conhecer o mundo, poupamos dinheiro para as viagens, compramos os guias da American Express, vasculhamos cidades estrangeiras até ao mais ínfimo recanto, e depois se nos perguntam se já conhecemos lugares deslumbrantes do nosso país mordemos o lábio, baixamos o olhar, e respondemos um envergonhado "pois... aí nunca fomos". Queremos mudar isso. Queremos levar os miúdos a conhecer o seu país. Ainda que seja num toca-e-foge de fim-de-semana, será melhor que nada. Podemos sempre assinalar aqueles sítios a que queremos regressar e fazê-lo mais tarde, com outro vagar. 

Começámos pelo Bacalhôa Buddha Eden, no Bombarral. Demorámos 45 minutos a chegar lá, ou seja, é mesmo aqui ao lado de casa. Um escândalo que ainda não conhecêssemos. É lindo, monumental, impressionante, e oferece uma paz rara a quem o visita.

O Buddha Eden tem 35 hectares e foi criado pelo comendador Joe Berardo em protesto contra a destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, num dos maiores actos de barbárie cultural, que apagaram do mapa obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara. 

Em 2001, profundamente chocado com a atitude do Governo Talibã, que destruiu intencionalmente monumentos únicos do Património da Humanidade, o comendador Berardo deu início a mais um dos seus sonhos: a construção deste extenso jardim oriental.  

Budas, pagodes, estátuas de terracota e várias esculturas entre a vegetação. Terão sido usadas mais de 6 mil toneladas de mármore e granito. Na escadaria central, os Buddha dourados dão calmamente as boas-vindas aos visitantes. E no lago central é possível observar os peixes KOI, bem como dragões esculpidos que se erguem da água. 
Impressionantes os 700 soldados de terracota pintados à mão, cada um diferente, incrível.
O que se pretende é que este jardim seja um lugar reconciliação. Sem nenhuma tendência religiosa, as portas estão abertas a todas as pessoas, como forma de redescobrir a felicidade... e a paz. Aconselho vivamente. 
 

 

28 comentários

Comentar post