Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Vamos ajudar o Mateus

O Mateus era uma criança normal (alegre, traquina, carinhoso) até ao passado dia 16 de Fevereiro. Nesse dia, tudo mudou. O Mateus teve uma convulsão que demorou cerca de 2 horas a ser controlada pelos médicos do Hospital São Sebastião. 
Ninguém sabia o que ele tinha (de resto, ainda hoje ninguém sabe o que aconteceu). As análises, os exames, tudo dava normal. Mas nos dias seguintes o estado do Mateus agravou-se de tal forma que deixou de conseguir respirar sozinho e por volta das 23:00 horas do dia 21 de Fevereiro foi-lhe induzido o coma e feita a transferência para os cuidados intensivos do Hospital Maria Pia. Às 23h desse dia foi a última vez que Cláudia ouviu o filho dizer a palavra «mamã».
No dia 16 de março, após ter sido levantado o coma, foi-lhe retirado o ventilador e ele recomeçou a respirar por ele próprio, durante todo este tempo foram realizados dezenas de exames ao Mateus mas apenas a Ressonância mostra lesões no cérebro, todos os outros exames indicam que está tudo normal.

Neste momento, e apesar dos médicos pensarem que ele poderia ficar confinado a uma cama, sem poder falar, comer, sentar, andar, o Mateus já consegue comer, sorrir, rir, tenta brincar com as mãos, vê o “Ruca” com atenção, senta-se com apoio de uma cadeira própria, e diz algumas (poucas e raras) palavras. Todos estes progressos do Mateus têm provado que ele é um lutador.


Agora o Mateus voltou para casa, o que é uma alegria, mas são necessários muitos equipamentos para o seu dia-a-dia. Equipamentos tão dispendiosos que os pais não conseguem comprar. O vosso contributo com uma “gotinha” já pode ajudar esta família a criar um oceano de esperança!

Vejam e saibam mais AQUI. E, se puderem, contribuam. 


Esta história mexeu muito comigo porque me mostrou, uma vez mais, que termos em casa uma criança perfeitamente saudável e «normal» não são garantias de coisa nenhuma. De um momento para o outro, uma convulsão e... puf! Tudo aquilo que dávamos por garantido se esvai. É por isso, também, que devemos viver a vida como se ela fosse acabar dentro de momentos. Aproveitar cada momento bom. Dar valor a tudo o que temos. Porque a felicidade é um sopro. Mas quero acreditar que, com a ajuda de todos, esta família ainda há-de ter muitos momentos felizes. Um beijo enorme para o Mateus.
NIB: 0035 055800041861000 88

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/3