Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Quem somos nós? Os nossos vizinhos? Os nossos amigos?

Fico sempre arrepiada com estas notícias de filhos que matam pais, pais que matam filhos, mulheres que matam maridos. 

Esta história do triatleta Luís Grilo ter sido alegadamente assassinado pela mulher põe-me mesmo incrédula. Todas as pessoas diziam que era um casal feliz, todas as pessoas da família dele punham as mãos no fogo por ela, quando começou a ser suspeita. A irmã da vítima até insistiu que continuava a não acreditar na sua culpa, que continuava ao seu lado. Agora, que parecem existir imensas provas que apontam mesmo para ela, nomeadamente a alteração que fez a um seguro de vida, não deixo de pensar: será que todos nós podemos ser homicidas? Será? Porque pelos vistos ela era uma pessoa de quem todos gostavam, uma mulher madura, sem qualquer antecedente criminal. Poderia acontecer-nos a nós? A qualquer um de nós? Seria ela uma psicopata disfarçada? Como é que alguém alegadamente liquida um marido, pai do filho, por motivações financeiras ou outras quaisquer? Poderemos nós ser psicopatas sem o sabermos até ao dia em que alguma coisa nos acciona? Como é que alguém dá entrevistas à televisão, olha o filho nos olhos, acorda e vive e cola cartazes à procura do marido, sabendo exactamente o que lhe aconteceu? 

Porra.

Quem somos nós? Os nossos vizinhos? Familiares? Os nossos amigos?

Que medo, a sério.

luis-grilo.jpg

 

19 comentários

Comentar post

Pág. 1/2