Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Maria do Mar, Marisco, Matilde. Uma família um bocado disfuncional, enfim

Quando estava grávida do Mateus, durante um tempo achei - achámos - que seria uma menina. Quer dizer, dava jeito, o Manel e o Martim já eram os manos compinchas, em calhando era giro a Madalena poder ter uma irmã compincha também. De maneira que, durante um tempo, o Mateus foi Maria do Mar. 

Quando soubemos que era um rapaz, ainda lhe chamámos Maria do Mar um tempo, no gozo, mas depois o Manel começou a dizer que já que não era a Maria do Mar talvez lhe pudéssemos chamar Marisco, que também começava com M, e também provinha do mar. 

Quando nasceu, o Mateus foi chamado de Marisco pelos irmãos, mas também de... Matilde. Não me perguntem porquê Matilde e não Maria do Mar, que ainda faria algum sentido dado o histórico anterior. Na verdade, o modo como os irmãos carinhosamente lhe chamam Matilde (recordando os tempos em que ele "foi" uma miúda), não é bem Matilde, é "Matiudi" ou, em alternativa, "Matildaaaa". E foi ficando. Claro que lhe chamam maioritariamente Mateus, coitado, que é o seu nome, mas estas gracinhas continuaram pelo tempo fora e até aos dias de hoje. Às vezes até temos de lhes ralhar e pedir para não lhe chamarem isso nem em público nem em privado mas sobretudo em público, porque já houve pessoas a olharem para o miúdo confusas (e para nós, de lado).

No outro dia estávamos num edifício público e estava uma família a entrar para um elevador. Às tantas, um dos membros da família chamou "Anda, Matilde", e o Mateus entrou no elevador. Ou seja, o desgraçado, à conta de tanto ser chamado por "Matilde" pelos parvos dos irmãos já responde pelo nome. Foi preciso chamá-lo de volta, "Não és tu, Mateus!", para incredulidade dos presentes, que hão-de ter ficado intrigados com isto de um Mateus pensar que falavam com ele, quando chamaram Matilde. Escusado será dizer o quanto se riram os mais velhos com a trapalhada.

Definitivamente, ser o caçula ter coisas muito boas. Mas também tem uma boa dose de palermice apensa.

Sessão Família - AfterClick - LD - 154.jpg

 Foto: Inês CM, After Click

10 comentários

Comentar post