Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Lentes de contacto: é muito mais fácil do que parece

Às vezes, quando alguém me vê pôr ou tirar as lentes (ou simplesmente quando sabe que tenho lentes de contacto), diz com uma expressão de horror que seria incapaz de usar. Sempre que isto acontece lembro-me de como também eu dizia o mesmo, como me impressionava tanto ver as pessoas a enfiarem aquela coisa redonda no olho, tanto que nem conseguia ver até ao fim, virava a cara como se tivesse acabado de assistir a um acidente, como se quem estivesse a colocar a lente tivesse acabado de vazar uma vista mesmo ali à minha frente.

Um dia - lembro-me perfeitamente - uma amiga disse-me tais maravilhas do uso das lentes de contacto que decidi dar-lhes uma oportunidade. Na verdade, até então imaginava que fossem peças rígidas (e creio que começaram por ser) e a ideia de espetar um vidro no olho era-me insuportável. Foi nessa conversa que ela me disse que não, que eram moles, maleáveis, finas, tão finas que nem se sentia quando entravam em contacto com o olho. Foi em 2002. Sei porque casei, em 2000, sem ver o noivo no altar (não tinha ainda descoberto as lentes e não quis casar de óculos porque nunca consegui sentir-me 100% eu com eles postos). E sei porque o Manel nasceu, em 2001, e eu também fiz questão de não o receber com os óculos (mas como o puseram junto a mim já não houve problemas em vê-lo, que o meu mal é enxergar ao longe).

Em 2002 fui a uma MultiOpticas (podia estar aqui a inventar porque tenho uma parceria com a marca e ficava mesmo bem dizer isto, mas não; lembro-me perfeitamente de ir a uma MultiOpticas) e a funcionária teve uma paciência de Job porque eu suava e sentia-me desmaiar e o diabo a sete, tudo porque imaginava a lente a entrar no olho e tudo aquilo me inquietava. Estranhamente coloquei as lentes de contacto com relativa facilidade e fiquei muito supreendida por não sentir nada depois de ter as lentes postas. Achei que ia sentir um peso, uma espécie de grão de areia, um incómodo mas... não! Nada. Era como se não tivesse nada nos olhos. "Espera lá! É isto??? Andei anos a protelar esta decisão e é só isto???"  

Também pensei que tirá-las fosse ser o cabo dos trabalhos, que ainda sacava um olho (além da lente), ou que ainda dava uma unhada e ficava vesga... enfim, toda a sorte de pensamentos tenebrosos me cruzou o cérebro. Mas não. Depois de uma tentativa ou duas, tirei-as na boa. 

As lentes de contacto foram uma espécie de Revolução Industrial na minha vida. Mudaram tudo. Nunca me tinha dado bem com os óculos. Não me sentia eu, não gostava da sensação de ver a vida dentro de dois rectângulos (ou qualquer que fosse a figura geométrica que me circunscrevesse a visão do mundo), não gostava de abrir o forno e ficar temporariamente um nevoeiro doido, ou fazer desporto e sentir o bafo embaciar-me as lentes. Tudo isso tinha terminado, com duas coisinhas tão pequenas. E de forma tão simples. Até mesmo para uma mariquinha com olhos como eu!

Quando o Manel precisou de óculos, ainda lá fomos para comprar lentes mas foi-nos dito que, naquela idade, era melhor esperar mais um pouco.  Porque os miúdos não têm os mesmos cuidados de higiene que os adultos, não lavam as mãos antes de pôr ou tirar as lentes, esquecem-se de as tirar, ficam horas infindas com elas até se esquecerem que as têm, e que seria mais prudente esperar. Esperámos e creio que em breve vamos voltar a tentar. Se for tão fácil como foi comigo, o Manel vai deixar de se franzir todo para ver não sei o quê que está a dar na televisão (porque só usa os óculos para ir ao futebol e para as aulas e pouco mais). 

Certo é que sabemos que na MultiOpticas há sempre um optometrista disponível para tirar qualquer dúvida sobre as lentes de contacto. Basta marcar uma consulta GRÁTIS de contactologia. Esta consulta pode ser marcada online ou por telefone. Além da consulta gratuita, o 1º par de lentes de contacto é oferecido, para que possam testar livremente. 

Não deixem de experimentar, a sério. Cada vez que oiço alguém a garantir que seria incapaz de usar lentes tenho mesmo vontade de lhe meter uma à socapa num olho, só para perceber como é simples e como pode ser mesmo libertador. Porque se há quem se acostume aos óculos na maior, e até goste de os usar, há quem nunca se acostume inteiramente a eles, sentindo quase uma mudança de personalidade quando os põe (eu quando uso óculos tendo a não falar quase nada, por exemplo, o que é óptimo quando o meu marido precisa de silêncio). 

Descubram as vantagens dos óculos e das lentes de contacto.

Se vão comprar o primeiro par de lentes de contacto descubram mais informações no site da MultiOpticas.

lentes.jpg

 

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2