Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Hora do Conto


É a historia de um pato que vive num lago num dos parques mais bonitos de Santo Tirso. O Pato Bitato colecciona disparates. A história é tão bem escrita e divertida, em verso, que é impossível parar de ler. E é impossível chegar ao fim sem um sorriso enorme.
A autora é a Dora Mota, que é jornalista, e escreve prodigiosamente. Ela define o livro como " uma espécie de poema épico da asneira", o que me parece uma excelente definição.
Este livro nasceu de um desafio que a professora da filha da Dora fez aos pais: queria que fossem contar histórias. E a Dora, que adora escrever, foi desfiando o longo poema do Pato Bitato, na mesa do café e no comboio, ao longo de uma semana. Os alunos ficaram encantados e rapidamente o conto ganhou asas. Começou a ser levado para casa dos meninos, todas as semanas, o grupo de teatro local encenou-o, e a Associação de Pais da escola decidiu editar a história num livro de 20 páginas. Além da história propriamente dita, há espaços em branco para que as crianças possam desenhar os vários disparates que o pato Bitato vai fazendo.
O dinheiro angariado serve para ajudar a associação de pais a pagar as actividades das crianças.
O livro custa 4 euros. E acreditem em mim: vale muito mais que isso.
Se o quiserem, basta enviarem um email para: locaishabituais@gmail.com

Deixo-vos com os versos da primeira página, só como aperitivo:

"Era uma vez um pato
e esse patinho vivia
na cidade de Santo Tirso
no parque D. Maria

Vivia num lago bonito
com a mãe pata e o pai pato,
e tinha um nome engraçado
chamava-se pato Bitato.

Era um pato ainda pequeno, 
gostava de andar de boné.
Se ele fosse uma criança,
seria aluno da sala da pré.

Passava o dia com outros patos,
a nadar e fazer brincadeiras.
E havia algo que ele fazia muito…
o que era? Eram asneiras!

Asneiras era o que ele fazia melhor.
Passava o dia todo a pensar
em que asneira fazer a seguir,
no que mais podia inventar."