Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Fisioterapia respiratória ao domicílio

Quando o Martim era bebé passámos por três anos difíceis. Enfim, nada que se compare a problemas de saúde realmente dramáticos mas foi - à sua medida - massacrante. Aos dois meses fez uma bronquiolite séria, foi roxo para o hospital, teve de ficar internado uma semana. Eu, que já tinha o Manel, que tido sido sempre super saudável, nem sabia o que me esperava. Depois daquela semana, nunca mais tivemos sossego. O Martim fazia bronquiolites de repetição, otites de repetição, amigdalites e passava o tempo enfiado no Hospital Dona Estefânia. Houve uma fase em que ia lá todos os dias, à Medicina Física e de Reabilitação, fazer ginástica respiratória. Ele melhorava, tinha alta, e passados três dias, voltava encharcado em ranho até à alma. Um inferno. Essa altura teve o condão de me dar dois pesos e duas medidas. Por um lado sentia-me um bocado desgraçada por ter de ir todos os dias com o miúdo para a Estefânia (e foram mesmo todos os dias, durante meses), mas depois chegava lá e via miúdos com paralisias cerebrais graves e com doenças terríveis que afectavam o desenvolvimento motor e intelectual e deixava-me logo de queixumes. Era certo: entrava cansada e chateada por ter de ali voltar com aquele bebé tão pequeno, tão aflito para respirar, e saía de lá a agradecer nem sei bem a quem pelo facto de ser só (mais) uma infecção respiratória.

Bom, isto para dizer que, se na altura conhecesse a Fisiolar (nasceu exactamente em 2005, ano em que nasceu o Martim), a minha vida teria sido mais fácil. A Fisiolar, além dos serviços de fisioterapia a que já recorremos várias vezes, tem o serviço de fisioterapia respiratória ao domicílio, que não podia ser melhor ideia porque a malta já tem olheiras até à alma de não dormir e a última coisa que apetece é andar com o bebé todo doente por hospitais ou clínicas, sujeito a ficar ainda mais doente (e, com ele, todos os acompanhantes). Além disso, já se sabe que não há fisioterapia respiratória à hora que queremos, é preciso estar a faltar a empregos e contar com o trânsito e com o estacionamento e o diabo a sete, e nem vos digo como é espectacular que venham ter connosco para que se façam os tratamentos no conforto das nossas casas. Se com a fisioterapia dos mais crescidos foi um descanso, nem imagino o que teria sido com um bebé. Bom, mas como agora já não vai haver mais bebés por aqui, deixo-vos com esta sugestão. Como vos digo, isto não é publicidade, não há aqui nenhum interesse comercial, simplesmente sei que a Fisiolar trabalha muito bem, são de confiança, e acho espectacular que vão a casa, para que as chatices que nos acontecem (e aos nossos filhos, pais, familiares em geral) sejam bastante menos chatas.

 

Para quem não sabe o que é isto da fisioterapia respiratória sugiro que vejam este vídeo, que explica tudo muito bem.

www.fisiolar.pt

 

3 comentários

Comentar post