Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Dias assim

feliz.jpg

Há dias que correm tão bem que ficamos a pensar por que raio não são todos assim. Ontem fiz uma série de coisas que queria ter feito, despachei assuntos, escrevi textos que tinha de enviar. Fui buscar a Mada à escola, às 17.30, estivemos a preparar umas coisas giras, fomos as duas buscar o Mateus, que estava com uma boa disposição rara (quando o vou buscar brinda-me muitas vezes com birras, logo a seguir ao enorme abraço que me dá, e é antipático e chega a casa e recusa-se a falar à dona Emília, tenho de me zangar, e fica tudo estragado), fizemos umas brincadeiras os três, a seguir ele ficou com os irmãos, a Madalena seguiu para a catequese com a mãe de uma amiga, eu segui para o 1Fight para ir à aula de Miss Fight, adorei a aula, esfalfei-me toda mas saí de lá com aquela sensação de ter dado o litro, voltei para casa, o Ricardo tinha o jantar pronto, jantámos, conversámos sobre a actualidade, o Ronaldo, o Bolsonaro, a Manuela Moura Guedes em "Procuradora", o Mateus continuava bem disposto, aceitou logo lavar os dentes, sem negociações nem fitas, não regateou a ida para a cama, estava tudo tão na paz que fiz uma cabana com um edredão gigante e pusemo-nos lá em baixo, foi engraçado durante os primeiros dois minutos mas depois ficou um calor abrasador, de maneira que desistimos da cabana, li uma história mesmo gira ("A Minha Mãe é a Melhor Mãe do Mundo", da Maria João Lopo de Carvalho, com ilustrações de Helena Nogueira), eles ficaram calados o tempo todo a absorver, no final dei beijos e fiquei na sala a ouvi-los rir às gargalhadas, fui incapaz de me zangar, ainda que fosse avisando "a mãe vai-se zangar", até que por fim adormeceram enquanto nós víamos uma série. Ainda li antes de adormecer e desliguei a luz a pensar "se os dias fossem todos assim era muito mais fácil". Hoje, porém, concluo que se fossem todos assim o mais certo era nem lhes dar o devido valor. Por não serem todos assim é que ontem soube tão bem. Agora é tentar que se repita mais vezes (ainda que saiba que se trata de uma conjugação de factores e não dependa exclusivamente de mim).

4 comentários

Comentar post