Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Conversas (irreais) no Tribunal

Fui ontem buscar a minha carta de condução, retida há dois meses no tribunal.

Ao chegar, disse alegremente "bom dia!", para receber uma cara de poucos amigos do outro lado e um "diga" que me pôs logo a par do estado de espírito da senhora que estava ao computador.

Seguiu-se uma conversa um pouco irreal.

Eu: - Vinha buscar a minha carta de condução. Fiquei inibida de conduzir durante 2 meses, esse tempo já passou, e agora queria a minha carta de volta, se faz favor.

Funcionária: - Número.

Eu: - Número de...?

Funcionária (irritada com a ignorância da pergunta): - Processo. 

Eu: - Errrrrrr.... (andei feita doida à procura do número no maço de folhas da sentença até, finalmente, encontrar) Ah, está aqui! (disse o número).

Funcionária: - Nome.

Eu: - O meu?

Funcionária (revirando os olhos): - Sim.

Eu: Sónia Branco

Funcionária: - Nome.

Eu (confusa): - O meu nome é Sónia. 

Funcionária: - Não, minha senhora. O seu nome não é esse. O seu nome é Sónia (e começou a dizer os outros nomes).

Eu: - Não. Esse é o meu nome completo. 

Funcionária (fazendo cara assassina): - Acabou. Não há mais conversas. Quero o seu nome.

Eu: - Quer portanto o meu nome completo?

Funcionária com ar de quem me vai matar.

Eu, atemorizada, disse o meu nome completo.

 

Quando estava para me vir embora, a funcionária ainda me tratou por D. Sónia, o que é estranho, atendendo a que esse não é o meu nome. Esperava que, no mínimo, me tratasse pelo nome completo que é, aparentemente, aquilo que devemos responder sempre que nos perguntam o nome. 

 

Eu sei. Eu sei que trabalhar ali, entre processos e dossiers que nunca mais acabam, é terrível. 

Mas, caraças, eu não tenho culpa.

 

O que interessa mesmo-mesmo? JÁ TENHO CARTA OUTRA VEZ! 

 

 

37 comentários

Comentar post

Pág. 1/2