Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Coisas assim a atirar para o creepy que acontecem cá em casa

Temos um sítio, na cozinha, onde se acumulam medicamentos que estão a ser tomados. Um benuron, um brufen (para dores, febres ou inflamações), um voltaren para dores musculares, uma mebocaína ou similar para garganta a arder, um omeoprazol para o estômago. Aquilo vai crescendo à medida das maleitas e, quando damos por isso, já está tudo curado e sadio, mas os medicamentos continuam ali, a acumular pó. Um dia, seja porque me passo de ver tanto remédio ali sem estar a ser usado, seja porque vêm convidados para jantar, arrumo tudo no armário que nos serve de farmácia.

É certo e sabido: quando arrumo tudo, alguém adoece. SEMPRE. 

Começou por acontecer uma primeira vez, não ligámos, mas depois percebemos que era trigo limpo farinha amparo. Pode estar tudo a vender saúde, mas basta tirarmos dali os remédios que cai logo um à cama. 

 

O mesmo sucede com as canadianas.

No outro dia a Mada magoou-se e andou de canadianas. 

Depois, quando deixou de precisar, houve uma mãe de um colega que as pediu emprestadas.

E lá foram elas, auxiliar outro lesionado.

Entretanto o miúdo ficou bom e a mãe andava há que tempos para mas devolver mas nunca mais conseguíamos marcar encontro.

As sacanas das canadianas andaram que tempos no carro dela, até ao dia em que finalmente ela conseguiu devolvê-las.

No dia seguinte, o Martim lesionou-se gravemente no joelho. Fez uma entorse de grau I, que tem de ser tratada como se fosse uma fractura.

Vai ter de andar de canadianas pelo menos 6 semanas e vai ficar 10 semanas (mínimo) sem praticar desporto. 

Ora, já não é a primeira vez que emprestamos as canadianas e, quando elas regressam a casa, um deles se esbardalha.

 

Conclusão: ou nunca mais arrumo os medicamentos e nunca mais empresto as canadianas, ficando aqui tudo para que o demónio não se lembre de nós, ou então mando tudo para o caraças assim que deixo de precisar.

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2