Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Banhos Públicos

Há por aí quem se manifeste muito agastado com isto dos banhos públicos. Que é uma moda, uma estupidez, uma idiotice sem fim. Que se pode muito bem doar dinheiro sem ter de levar com água gelada pela mona abaixo. E eu pergunto: qual é que é o mal de uma moda que não prejudica ninguém a não ser eventualmente o próprio (que pode apanhar uma constipação, congestão ou ataque reumático) e que pode contribuir para ajudar os outros? Ah, mas é uma palhaçada e as ajudas aos outros são assunto muito sério. Please… Se alguém quiser ajudar fazendo palhaçadas qual é o problema? Ah, mas nem todas as pessoas doam dinheiro e há quem o faça só pelo show off. E então? As acções ficam com quem as pratica. Se há quem goste de se exibir levando baldadas de água fria esquecendo o seu propósito original é lá com elas. Mas o que é certo é que tem havido uma doação verdadeiramente impressionante para várias instituições, nomeadamente para a APELA, a Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica, que apoia doentes e familiares de doentes com ELA, uma das doenças que mais me perturbam no reino das doenças (se não sabem o que é vão ler e depois digam-me se não é uma doença de impor respeito). Ah, mas as pessoas que ajudam devem fazê-lo em silêncio, sem alardes, sem chamar a atenção para si próprias… A sério? Porquê? Se esta moda não fosse pública teria alguma vez tido a repercussão que tem tido? Se os molhados não partilhassem os seus banhos nas redes sociais, convidando outros a aderir, teria isto o efeito multiplicador que tem tido?
Lamento mas não entendo o agastamento. Nem sempre os fins justificam os meios mas neste caso em particular acho que estão mais que justificados. Se o fim é ajudar, venham de lá esses baldes de água fria. E se a seguir passarem para baldes de cocó… força nisso!

E já agora parabéns à Rádio Comercial pelos desafios lançados a figuras públicas e pelas verbas valentes que têm conseguido angariar. Gosto mesmo destes quatro!

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/3