Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Apresentado ontem em Lisboa o Manifesto "Um Filho Vale Um"




Assinalando o Dia Mundial da População foi ontem à tarde apresentado em Lisboa o Manifesto “UM FILHO VALE UM”, que chama a atenção para o facto de os filhos serem discriminados não sendo em muitas dimensões legais considerados como uma pessoa.

Segundo o texto do manifesto “O Estado reconhece as crianças como cidadãos mas, muitas vezes, ignora a sua existência ou considera-as como uma percentagem variável”. Neste sentido o manifesto pede que “A capitação dos rendimentos familiares para efeitos fiscais e de acesso aos serviços sociais” seja a regra e termina afirmando “Para os pais um filho vale tudo. Para o Estado um filho deve valer um.”

Durante a apresentação, os jornalistas Gabriela Oliveira e João Miguel Tavares, na sua condição de pais, identificaram as várias situações em que sentiram algumas das discriminações existentes. Afirmou João Miguel Tavares: “Não sou muito de assinar manifestos. E se eu assino este é porque na verdade este é um manifesto que não pede apoio nem benefícios. A única coisa que pede é que não nos discriminem. Este manifesto é um passo na direcção correta.”
Para Gabriela Oliveira “As famílias não só não são apoiadas como ainda são penalizadas (…) Como é que é possível uma criança não valer um? Se é uma criança é um cidadão por inteiro! A verdade é que não. As nossas crianças são inteiras mas o Estado faz o favor de as retalhar porque não as considera por inteiro quando faz o saldo anual entre o que deve pagar ou reaver.” 

Para Inês e Francisco, um casal jovem sem filhos que também se juntou a este manifesto a razão do apoio é “porque tem um impacto directo na nossa vida e no nosso futuro e principalmente na nossa decisão de ter filhos e das condições para os termos. Estamos aqui a representar os jovens da nossa geração. Ainda não temos filhos e estamos aqui a antecipar um problema que vamos ter. Problema este que não devia ser problema.”

10 comentários

Comentar post