Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Alli... há magras!

Ora ainda bem que o mundo não acabou porque assim deu para tomar um belo pequeno-almoço no Hotel Ritz, a convite do Alli, o medicamento que ajuda a emagrecer. Foi um pequeno-almoço saudável, para jornalistas e bloggers, para apresentar o relançamento deste medicamento, de venda livre, que esteve desaparecido imenso tempo do mercado português porque o composto de que é feito estava esgotado e houve, digamos, uma ruptura de stocks. Então lá estive, na companhia do querido Roberto (mais conhecido por Ken - Quiosque do Ken), o que é sempre garantia de boa disposição, voltei ao hotel da minha noite de núpcias (que é sempre coisa boa de recordar), e ainda aprendi algumas coisas sobre alimentação, que não sabia - há sempre coisas que a gente aprende sobre alimentação, mesmo quando acha que já sabe tudo.
Depois de uma mini-aula de ginástica (que eu fiz com o meu sobretudo vestido porque estava geladinha, vejam bem como hei-de me ter esforçado), fomos então ouvir o Dr. Jácome de Castro, endocrinologista, e a Maria Santana Lopes, nutricionista, ao mesmo tempo que saboreávamos a primeira refeição da manhã.
O médico é de chorar a rir. Super divertido, explicou imensas coisas sobre os malefícios das dietas iô-iô, sobre o facto de a Grécia ser o país com maior taxa de obesidade, logo seguido dos EUA, disse que Portugal tem 56% de população com excesso de peso. E depois defendeu, com unhas e dentes, o Orlistato, a substância de que é feito o Alli. Confesso que fiquei impressionada com o modo como se referiu ao composto. Diz que é um facto que ajuda a emagrecer, porque faz com que o intestino não absorva 30% da gordura que consumimos. Diz que há muito cocó (por alguma razão me convidaram a estar presente...). Diz que o medicamento funciona, além do mais, como campainha de alarme: sempre que uma pessoa se excede, em termos alimentares, a campainha toca, ou seja, uma alminha passa na retrete as passinhas do Algarve, e é coisinha para não sair de lá tão cedo. Mas garantiu que não faz mal nenhum à saúde. Que até o receita a adolescentes, nas suas consultas, por não ter efeitos secundários (a não ser que a pessoa sofra de doença inflamatória do intestino, e aí não pode tomar). E que o corpo não se ressente quando a pessoa deixa de o tomar. Não fica obstipada, não engorda que nem uma baleia, nada. Se continuar a ter cuidado, continua bem. Ah, e diz que se a pessoa fizer exercício diário, tiver cuidado com a alimentação e tomar o Orlistato, o que acontece é que, a certa altura, o corpo começa mesmo a ir buscar as reservas de gordura e a expeli-las... em forma de cocó. No fim, o médico ainda disse, com muita graça: «E olhem que eu não tenho viajado nada à conta da Glaxo!»
Depois, veio a Drª Maria Santana Lopes dar imensas dicas e alertou para imensos mitos. Por exemplo, para temperar uma salada, deve usar-se uma colher de sopa rasa e não mais! E contou que no outro dia, num jantar, uma sopa tinha 500 calorias, não porque tivesse natas mas porque tinha 50 ml de azeite (por prato). Fiquei horrorizada. Quantas saladas já terei comido com muito mais azeite que uma colher rasa de sopa?
Às tantas, o endocrinologista tirou um muffin, com uma tenaz, e aproximou-o de cada mesa: quantas calorias acham que tem? Uns atiraram um número, outros atiraram outro e depois veio a verdade: 260 calorias! Era minúsculo... e, no entanto, um verdadeiro terror gordurento.
Também ficámos a saber que a Coca-Cola Zero e as 7 Ups Zero não engordam mesmo nada e que o gás não provoca celulite coisa nenhuma. E que o adoçante não faz mal algum, pode e deve ser usado à vontadinha, ainda mais agora que já existe um que suporta altas temperaturas, ou seja, dá para meter nos bolos e levar ao forno.
Infelizmente, os frutos secos não são amigos das pessoas, e 3 nozes é quanto basta se não se quiser engolir uma quantidade considerável de gordura. A salada de fruta pode ser uma boa aliada, desde que feita em casa, isto é: não tem mal misturar fruta. O pior é que, nos restaurantes, acrescentam doses industriais de açúcar e até vinho do Porto e isso é que dá cabo da linha.
Se gostamos de queijo de Serpa, podemos comer. Assim como se gostamos muito de manteiga. Só não dá é para devorar um queijo inteiro ou comer manteiga às colheradas. Uma fatia fina de queijo e uma colher de chá de manteiga e já se faz a festa.

De maneiras que foi isto. Não trouxe Alli, o que foi uma pena, mas não é possível por lei andar por aí a ofertar medicamentos às pessoas (ooooh!) Mas tomei um belo pequeno-almoço, aprendi algumas coisas, estive com muita gente simpática, nomeadamente duas colegas da Vogue e da Activa, que não conhecia, e o impagável Roberto.
Obrigada à M Public Relations e à Alli por este simpático convite. E tenho a impressão que não vou resistir a experimentar o Alli. Sou uma pessoa muito fácil de convencer. Metam-me um médico à frente a dizer bem de um medicamento para emagrecer e é ver-me na farmácia mais próxima. Vou ter é de esperar porque só regressa ao mercado em Janeiro de 2013. Para começar bem um ano que tem tudo para ser um azarinho pegado.

Fotos de Nuno Branco
 
Para mais informações sobre este medicamento, consulte o seu médico e dê uma olhadela a este LINK.?

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/4