Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Abusos e compensações

No sábado tivemos uma jantarada cá em casa. Apesar de um dos convivas ter sido o nosso PT, não fomos espartanos nos víveres. Houve entradas gordurentas, carnes suculentas, vinhaças das boas, arroz doce do meu (que é o melhor do mundo, digo-o sem qualquer modéstia), e um bolo que a Raquel Brinca trouxe que era, provavelmente, das melhores coisinhas que já provei: um bolo de… Nutella! Eu que nem sou assim maluca por doces, nem sequer por chocolate, fiquei com os olhos a saltarem das órbitas. Que bolo do demónio! (Foi uma noite muito gira).
Assim, achei que domingo tinha de ir tentar abater parte daquele disparate pegado e corri 8 km. Fui contente e a cantar durante 6 km. Os últimos dois foram em sofrimento, sobretudo porque voltei para trás (para fazer o caminho inverso) e chateia-me a repetição - por mim corria sempre em frente (a gaita é para voltar para casa). Fiquei tão cansada que adormeci no sofá às 6 da tarde. E doía-me tanto o corpo que tive de tomar um benuron (eu sei, eu sei, é uma tristeza, parece que estamos a falar da maratona). Bom, hoje acho que vou atirar-me outra vez à luta. E amanhã à noite primeira aula de Padel, certo Cris? Com isto tudo, mais a nutri, macacos me mordam se não fico uma brasa até ao verão! 

5 comentários

Comentar post