Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Casas onde a Cocó não se importava de morar #107

Há duas pessoas em mim: a que adora a cidade e até se mudava bem para o centro, para as Avenidas Novas, ali onde há imenso comércio e metro e está perto do Saldanha e do Campo Pequeno e fica perto de tudo; e a pessoa que até se imagina a viver no campo, tipo eremita, a ler e a escrever, posta em sossego. O Ricardo garante que é mentira, que ficava doida se me mudasse para o campo, mas eu acho que ele não está bem a ver a minha vida: nos últimos tempos passo os dias enfiada em casa, precisamente a ler e a escrever, e a cidade não me vê nem eu vejo a cidade, pelo que não estou a ver de que modo é que ensandeceria se tudo se mantivesse igual, apenas mudando o cenário.

De maneira que podia bem mudar-me para esta casinha que agora mostro, perto de Melides, a 10 minutos da praia da Aberta Nova, tão próxima de Lisboa. Trata-se de uma casa de 300m2, num lote de 11 mil metros quadrados, com jardim e piscina. Tem uma sala com uma grande lareira, dois quaeros, um deles em suite e uma casa de banho completa. Depois tem uma casa anexa com a cozinha e mais dois quartos e uma casa de banho (imagino os mais velhos a viverem no anexo, todos contentes por terem uma "casa" só para eles; o pior era a cozinha estar também lá, não ia sobrar nada de um dia para o outro).

E pronto. É isto. Se o meu lado eremita vencer, qualquer dia poderei estar num sítio como este, a ouvir passarinhos.

Captura de ecrã 2020-01-14, às 12.47.26.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.47.37.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.47.46.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.47.54.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.48.03.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.48.16.pngCaptura de ecrã 2020-01-14, às 12.49.04.png

Clube de Leitura de Lisboa: dia 30 de Janeiro, com a presença do escritor João Tordo

joão tordo.jpeg

É a primeira vez que vamos ter a presença de um escritor nestes nossos encontros. Na verdade, já tinha pensado fazer convites aos autores mas depois ficava sempre com algum receio de que aquele ambiente intimista e descontraído conhecesse ali uma quebra, que ficasse tudo muito formal pela presença de um daqueles que costumamos ler e admiramos. Mas o nome de João Tordo é um daqueles que se repete. Há sempre alguém que traz um dos seus livros, mais recente, mais antigo. Já tivemos um livro dele como leitura "obrigatória". E agora estava muita gente a ler o seu último. E então decidi convidá-lo e ele disse logo que sim. De maneira que no dia 30 (quinta-feira) a partir das 19:30, quem quiser juntar-se no Brown's Hotel, em Lisboa, será muito bem-vindo. Vamos poder conversar sobre os livros deste autor de quem tenho gostado muito, nomeadamente do seu último, um thriller que me agarrou da primeira à última página (A Noite Em Que o Verão Acabou).

Obrigada, como sempre, à MultiOpticas por se aliar a este projecto de amor pela literatura.