Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

De como este mundo é, realmente, uma ervilha

Recebi um email inesperado. De quem? Da madrinha do baptizado que estava a decorrer na igreja de São Roque, no dia da surpresa, e que quase ia impedindo a entrada que tinha nos meus planos. Felizmente os seguranças foram queridos e perceberam que não íamos fazer nenhum espalhafato que interrompesse a cerimónia e, assim, pudémos ficar sentadinhos um ao lado do outro, a recordar aquele dia tão importante para os dois, há 15 anos.

A madrinha do baptismo contou ainda, no email que me enviou, que a certa altura ouviram grande alarido e música e que pensaram que deviam ser alguns turistas enlouquecidos. E que, depois, quando leu no blogue, percebeu que afinal éramos nós.

Achei uma delícia.

Uma aldeia, é o que isto é.

 

Myu Baby

A loja do demónio de que falava ontem fica ao lado de outra loja de que já aqui falei, e que também me desgoverna a carteira. 

Uma ao lado da outra, assim mesmo para desestabilizar. 

Uma com roupa para mim (Happy Company), outra com roupa para os miúdos (Myu Baby).

Desta vez perdi-me de amores por um fato-de-banho para a Madalena e uns calções iguais para o Mateus. 

Uns amores!

IMG_3072.JPG

IMG_3074.JPG

Pormenor das costas 

Myu Baby AQUI.

Do mérito

Ao ver esta notícia dei por mim a concordar com tudo. Podia demorar-me aqui a citar variados exemplos mas, para mim, o mais óbvio de todos é o que se passa no ensino. Os professores, sejam bons ou maus, obedecem à lei da selva e todos os anos vivem um autêntico salve-se quem puder que nada tem que ver com mérito. Ora, pensando que falamos de ensino, de passar conhecimentos às gerações vindouras, esta escolha sem ter o valor em linha de conta não podia ser mais desastrosa.

Não preciso ir muito longe na análise. Basta-me pegar na educadora da minha filha Madalena (mas o exemplo serve para qualquer bom professor, do ensino básico ao secundário): a Manuela é excelente. Carinhosa, empenhada, criativa, trabalhadora, apaixonada pelo que faz. Nós, pais, estamos muito contentes com ela. Os alunos, então, não se fala. A Madalena até já chegou a dizer que gostava mais da Manuela do que de mim, o que significa que tem ali alguém que a acarinha, que lhe dá atenção, que a ensina e que a faz gostar de ir para a escola todas as manhãs. O que podia querer mais?

Nós, pais, podíamos e devíamos fazer alguma coisa por ela. Recomendá-la. Dizer ao Ministério que ela é óptima e que merece ficar na escola que lhe der mais jeito. Porque tem mérito e o mérito devia valer alguma coisa. Devia valer muito. Quem o tem devia ser reconhecido, devia poder evoluir, crescer, ou pelo menos - e à falta de melhor - não devia ser prejudicado.

Este país só tinha a ganhar se fosse uma meritocracia. 

Mas infelizmente ser bom conta pouco.

Que pena.

Compal e Gulbenkian mostram a fruta com outros olhos

Eis uma iniciativa bem gira, que gostava de vos dar conta. A Compal e a Fundação Calouste Gulbenkian convidam todas as crianças e as suas famílias, no próximo fim-de-semana (30 e 31 de Maio), a descobrirem novas formas de ver a fruta. No Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, entre as 11h e as 18h, poderão divertir-se e aprender através da arte, num conjunto de iniciativas totalmente dedicadas a crianças de todas as idades e às suas famílias.

O Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian irá encher-se de cor e de muita animação com várias atividades e oficinas de música, artes performativas e artes plásticas, que irão contar com a orientação de uma equipa experiente de curadores da Fundação.

O Pomarte Compal será encerrado com um concerto do grupo português They're Heading West, que decorrerá às 18h, e que terá como convidados especiais Ana Bacalhau e José Pedro Leitão, do grupo Deolinda.

A entrada para o evento é livre e a lotação sujeita a disponibilidade no local e por ordem de chegada.

Mais informações em www.descobrir.gulbenkian.pt ou através do telefone 217823800.

 

Programa de Atividades:

 

MÚSICA

Balada de frutas | Para famílias com crianças a partir dos 6 anos

Oficina com palavras e música

Vamos à descoberta! Se a fruta falasse, o que teria ela a dizer? Vamos ouvir!

Sabias que cada fruto tem a sua personalidade? Vamos registar todos os traços e construir o seu bilhete de identidade emocional. Como se sentem os morangos no Inverno? E as Laranjas no Verão? A Banana tem sempre a última palavra? 

Os participantes desta viagem serão convidados a explorar a musicalidade das palavras e a inventar canções que serão apresentadas numa performance cheia de sumo!

Conceção e orientação: Maria Inês Fernandes e Nuno Cintrão

Lotação: 20 participantes

Duração: 90 minutos

Horários: 11h00; 14h00; 16h00

Nº de sessões: 3/dia

Local: Pátio das escadas - Jardim das Rosas

TOTAL DIA: 60

 

ARTES PERFORMATIVAS

Uma, duas, três pêras no meu cestinho! | Para famílias  com crianças a partir dos 3 anos

Uma estória com canções e baile para Todos 

Para esta estória cantar precisamos de poesia com cheiro a tangerina e de música tradicional portuguesa: 

Era uma vez uma terra onde duas amigas andavam sempre com as nuvens em cima da cabeça. Todas as manhãs encontravam-se no cimo do monte e desciam o caminho para o rio. Ao meio dia em ponto,  partilham as merendas, as conversas e os versos dos frutos que as fascinam pelo sabor, pela cor, pelo aroma das silabas…

Canção cantada, fruta partilhada…estória acabada!

 

Conceção e orientação: Tânia Cardoso e Susana Quaresma

Lotação: 40 participantes

Duração: 60 minutos

Horários: 11h00; 14h30; 16h00

Nº de sessões: 3/dia

Local: Jardim das ondas (junto à biblioteca de arte – lado direito quem entra)

TOTAL DIA: 120 pessoas

 

ARTES PLÁSTICAS

Histórias Frutásticas | Para famílias com crianças a partir dos 5 anos

Oficina de construção de histórias, instalação e artes visuais

Oficina criativa de construção de breves histórias sobre a magnífica viagem das frutas da semente ao mercado, da cozinha ao laboratório, do interior para o exterior, da mesa para a boca e mais além!

 

Conceção e orientação: Carla Rebelo, Rita Cortez Pinto, Maria João Carvalho, Andreia Dias e Maria Remédio.

Lotação: 40 participantes (10 em cada núcleo)

Tempo médio para a realização das histórias: 30 minutos

Horários: 11h00, 11h45, 12h30, 14h30, 15h15, 16h00

Nº de sessões: 6/dia

Local: Palco do anfiteatro ao ar livre

TOTAL DIA: 240 pessoas dia

 

CRIATIVIDADE

Tuttifrutários | Para famílias com crianças a partir dos 4 anos

Oficina de invenção e classificação de novos frutos curiosos, fazendo uso de diferentes técnicas, materiais e de um grande inventário imaginário.

 

Conceção e orientação: Sofia Martinho, Margarida Rodrigues e Marc Parchow

Lotação: 30 participantes

Duração: 30 minutos

Horário: 11h00, 11h45, 12h30, 14h30, 15h15, 16h00

Nº de sessões: 6/dia

Local: Pinhal

TOTAL DIA: 180

 

EXPRESSÃO PLÁSTICA

Multiplicador de Frutos | Para famílias com crianças a partir dos 4 anos

No Jardim está estacionado um veículo colorido e curioso.

Parece um armário mas tem rodas. Parece uma mesa mas o tampo tem uma paleta de tintas. Parece uma árvore, mas podia ser um brinquedo. É à volta deste objeto divertido que vamos descobrir e construir folhas e frutos de árvores frutíferas, e aves que visitam normalmente os pomares. Ao longo do dia o nosso brinquedo vai crescer e prolongar-se. Vão multiplicar-se folhas e frutos na copa da árvore e bandos de aves pousadas no estendal.

Conceção e orientação: Ana Pego, Susana Vilela e Vanda Vilela

Lotação: 20 pessoas

Duração: 40 minutos

Horários: 11h00, 11h45, 12h30, 14h30, 15h15, 16h00

Nº de sessões: 6/dia

Local: Choupal (junto à biblioteca de arte – lado esquerdo quem entra)

TOTAL DIA: 120 pessoas

 

EXPRESSÃO PLÁSTICA E CULINÁRIA (construção de insetos polinizadores com frutas)

6 Patas no Pomar | Para famílias com crianças a partir dos 4 anos

Neste Jardim existem milhares de insetos que ajudam na polinização de muitas árvores. Graças a eles nascem as flores e frutos que tanto adoramos.

Inspirados por estas criaturas vamos cozinhar arte no bosque. Os habitantes atentos saltam da nossa imaginação para o nosso prato e damos por nós a petiscar insetos saborosos, muito coloridos e saudáveis. Com cabeça, tórax e abdómen, seis perninhas finas, e talvez asas, fica o lanche divertido num piquenique de Primavera!

Conceção e orientação: Filipa Fialho, Leonor Pego e Salomé Duarte

Lotação: 30 participantes

Duração: 40 minutos

Nº de sessões: 6/dia

Horários: 11h00, 11h45, 12h30, 14h30, 15h15, 16h00

Local: Bosque dos espelhos de água

TOTAL DIA: 180 pessoas

 

 

Então? É giro ou não é?

Gosto muito de quando as marcas se reinventam e se juntam a instituições para criar algo inovador, artístico, pedagógico e lúdico. Grande iniciativa a não perder!

blogger-image--910219179.jpg

 

Fartlek

Já andava para fazer este tipo de treino há muito tempo. 

Foi ontem.

Chama-se Fartlek e consiste em variar o ritmo da corrida, acelerando bastante o passo durante uns minutos e, de seguida, recuperando o fôlego num passo mais confortável, durante mais uns minutos. E assim sucessivamente.

Foi, tal como previa, horrível. 

Sempre que corria a 4.40 ou a 5 parecia que ia falecer.

Depois, demorava bastante a recuperar.

Acabei a andar, estragando a média toda. Paciência.

Ou seja, tenho mesmo muito Fartlek pela frente, nos próximos meses.

O objectivo deste treino é conseguir correr mais depressa, sem sentir que o coração nos vai sair pela boca.

É - dizem-me os entendidos - a única forma de evoluir nas corridas. 

É chato, é difícil, obriga-nos a sair da zona de conforto (aquele ir ali naquele passinho que já não nos cansa), mas é a única forma de ver se consigo não só fazer a maratona como acabar num tempo com alguma dignidade.

IMG_3066.JPG

Para quem tem perguntado, sim, o Tomtom tem-se portado lindamente. Só com a sua ajuda consigo ver, em tempo real, qual o ritmo a que vou, mudando de rápido para lento sem exagerar nem no vagar nem na pressa. Estou muito contente com ele (não tanto com isto do Fartlek, mas enfim).

63 kg

Cheguei hoje aos 63 kg.

Em Novembro, quando saí de casa para ter o meu bebé, pesava 85kg.

Tenho 63 kg.

Obrigada à querida leitora que diz coisas queridas como "és gorda", "essa saia deve ficar-te um saco de batatas", "38? Só se for em cada perna". Esses comentários só me dão ainda mais ganas de chegar onde quero. E o melhor é que falta pouco.

Faltam-me apenas 5 kg para ficar exactamente como quero, ou seja, com 58.

Daqui a três meses será esse o meu peso. 

Porquê? 

Porque quero. E porque faço por isso, todos os dias. Em vez de destilar veneno e más energias para quem se esforça. Em vez de ser má. 

Tenho muita pena de quem tem tanta maldade dentro.

Não estou a ser irónica. Tenho mesmo.

Só alguém com uma vida muito poucochinha pode dar-se ao trabalho de ir dizer estas pérolas a alguém que todos os dias trabalha para atingir o seu objectivo.

Mas pode continuar. A sério. A mim só me dá mais força. Já a si duvido que lhe dê alguma felicidade mas se der... força aí.

 

Família

Depois de um almoço animado no domingo, uma fotografia de família com a minha mãe, o meu pai, a minha boadrasta. O meu marido, os meus filhos, a minha irmã, o meu cunhado. Só falta mesmo o meu querido sobrinho João, que estava a dormir a sesta. 

11348014_10203750485955453_427526366_o.jpg

 

Sintonia familiar

Hoje foi DFU (Dia do Filho Único) para o Martim. Fui buscá-lo à escola e almoçámos, eu e o pai, sozinhos com ele. Às tantas, disse-lhe:

- Sabes, nasceu o primeiro dente do Mateus.

- Ooooh... - respondeu, de cara triste.

- Então? O que foi?

- Está a crescer... O nosso bebé está a crescer e eu queria que ele ficasse sempre assim.

 

(como te compreendo, Martim)

Isto é que é um press!

Recebo - como imaginam - dezenas de press releases por semana. 

Há uns que são giros, outros que são originais, uns que são parvos, há aqueles que a gente olha e pensa "tanto dinheiro que se gastou com isto e para quê?", e há aqueles que falham completamente o target, nem se percebe por que chegaram cá a casa, há os presses que me acordam o puto quando os senhores que os vêm entregar tocam à campainha (acabou de acontecer), há de tudo como na farmácia.

E depois há os presses inteligentes, personalizados, que foram feitos para nos tocar o coração e que chegam na hora certa.

Parabéns a quem teve esta ideia. Gostei muito.

IMG_3055.JPG

IMG_3060.JPG