Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Apresentação do livro da Joana Roque

Foi hoje, na Fnac do Chiado, às 18.30.
Li o seu novo livro "Receitas para todos os dias", experimentei 6 receitas, expliquei como sou básica nisto da culinária (excepto quando quero realmente impressionar e aí até me saio muito bem) e como me surpreendi pelo convite e como pensei recusar por achar que ela merecia melhor. Falei do livro, tão bom, das 5 receitas que experimentei (nhami, nhami), e deixei mesmo para o fim a sexta receita que fiz. Levei o Bolo de Natas e Limão que fiz esta tarde (directamente da página 118) e deixei partido na mesa, para que todos os que fossem entregar os respectivos livros para a Joana assinar pudessem provar. Dizem que estava bom. O mérito é todo dela.
O livro é mesmo bom.
A fotógrafa (ou foi a Sofia ou a Margarida, da Esfera dos Livros) estava visivelmente com ganas de se atracar ao livro, e nem conseguiu focar a fotografia…


Fim-de-semana épico - Parte II

O Dia da Criança não podia ter sido mais perfeito para os miúdos. E até para nós.
A manhã foi passada na piscina, a jiboiar em grande estilo mas, depois do almoço, havia encontro marcado para as 15h no lobby do hotel. Todas as crianças tinham recebido uma missiva, no seu quarto, que dizia que só haveria 5 convites para visitar a fábrica de chocolate ao estilo Willy Wonka. Só cinco! Teriam que ver se a sua tablete de chocolate seria ou não "premiada" com um desses convites. E lá fomos.

Mas, afinal, TODAS as crianças tiveram direito ao seu convite. 
Claro que TODAS as crianças receberam um convite! E lá foram, num buggy, até ao Kids Club transformado em fábrica do chocolate. O que os esperava era um autêntico festim de guloseimas. Foi impagável ver as carinhas de todas as crianças. E até as nossas! Aquilo era um regalo para os olhos (e para a barriga).


Willy Wonka, o anfitrião, e aspectos mais gerais do jardim da "fábrica de chocolate"

 A porta de entrada para, como os meus filhos lhe chamaram "o paraíso das crianças".










Foi um regabofe. Os pais viram-se e desejaram-se para evitar que os filhos saíssem dali a rebolar.
E ainda havia mais uma surpresa à espera.
Uma piscina de chocolate!

A ideia era esta: navegar na piscina de chocolate, neste barquinho de borracha.
Pois, pois. Mas digam lá aos miúdos que não podem mergulhar. Estes da foto (por acaso não são os meus) foram os pioneiros. Começaram por pôr as mãozinhas e, no momento seguinte, já estavam todos lá dentro.

Era demasiado irresistível.
Nisto, todas as crianças queriam tomar banho no chocolate. Madazinha incluída. Primeiro a medo (diria mais "a nojo"), mas a seguir… com uma satisfação que lhe vai ficar impressa durante muito tempo, eu acho.

E foi isto. Um Dia da Criança mesmo diferente.
A caminho de casa só diziam que tinha sido o melhor Dia da Criança de sempre.
E nós tivemos a certeza de que a escolha para este fim-de-semana foi acertada.
Havemos de voltar!

A quem possa interessar: http://www.algarve.epic.sanahotels.com/pt

Fim de semana épico - Parte I

Desde que o Epic Sana Algarve abriu, no ano passado, que andávamos para lá ir. As fotografias que vimos da inauguração deixaram-nos com uma certeza: aquele sítio havia de ser top. Andávamos só à espera do bom tempo e de um sábado e domingo sem coisas marcadas. Apontámos baterias para este fim-de-semana, até porque o programa para o Dia da Criança nos pareceu irresistível. Depois, o tempo estava incerto e estivemos quase para desmarcar. Felizmente, não desmarcámos. E não nos enganámos: o hotel é realmente fantástico.
Ficámos num apartamento com vista para uma das piscinas, com um terraço enorme. O apartamento é uma boa opção, não só porque já somos muitos mas porque a cozinha dá sempre jeito. Fomos na sexta depois do jantar (tínhamos de ir ao Arraial dos Navegantes - pena o frio!) e chegámos já passava da uma da manhã. Acordar ali, no sábado, abrir as janelas e sentir aquele cheirinho a pinheiros e a maresia, fez-me ter vontade de me mudar de armas e bagagens.

Passámos o dia a vegetar na piscina em frente ao apartamento. A água estava gelada mas o dia pôs-se tão bom e quente que ainda consegui dar 3 mergulhos e brincar com os miúdos (se bem que brincar com o Manel é quase o mesmo que brincar com um cão enorme - está gigante e cheio de força e quando me abraça dentro de água quase me afoga).
Almoçámos no restaurante que fica mesmo à beira de outra das piscinas do hotel, o Open Deck, e à tarde demos um pulinho até à Praia da Falésia (é só descer uma escadaria de madeira, por entre as arribas).







Achei o hotel perfeito para famílias mas também para casais sem filhos (fiquei com vontade de voltar para uns dias a dois, confesso). A verdade é que até com filhos se pode ter a ilusão de um fim-de-semana ou ferias a dois. Desde que já sejam um bocadinho autónomos, eles ficam de molho e os pais jiboiam numa das espreguiçadeiras (ou numa das pérgolas), e também há sempre o fantástico Kids Club (a Madalena ficou fã).


Ainda dei pulinho ao Spa (Sayanna Wellness, obrigada por me endireitares o esqueleto). À noite, ficámos com pena de não termos conseguido ir ao AlQuimia, o restaurante onde se prometia uma degustação inesquecível. Infelizmente já estava todo reservado mas, na verdade, ir com os três miúdos era capaz de não ter sido boa ideia, que aquilo era sofisticação a mais e merecia uma coisa mais tête-à-tête (fica para a próxima). Jantámos belissimamente no buffet do Abyad, que tem um ambiente mais descontraído, e ainda bebemos um copo (ok, eu bebi uma Coca-Cola) no Bluum Bar, enquanto os miúdos estavam ali mesmo ao lado, nos sofás ao ar livre. Tínhamos de lá ir porque estávamos curiosos para experimentar os cocktails feitos com base na mixologia molecular. O Ricardo, talvez para se vingar do cão, bebeu um Mojito com caviar de frutos vermelhos (eu dei um golinho e tive de me controlar para não o beber todo).

O sábado deu tempo para tudo. Até para o Manel estudar para o teste de Matemática. Mas, sinceramente, com esta vista, nem sequer se chateou muito.

Pág. 11/11