Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Da vaidade

Ela chegou ao pé de nós toda contente e a estender os beiços.
- Estou bonita, pai-mãe? Pus baton! Estou bonita?
Olhámos um para o outro, rodámos as cabeças à procura do baton, e o que vimos pôs-nos em sobressalto.
- Vai lá buscar o baton que puseste.
Ela levantou-se e trouxe, toda orgulhosa... o tubo de cola UHU.

Já tenho o que pedi, muito obrigada

Histórias duras. Muito duras.
Perder alguém, seja quem for, é sempre uma merda. Não há outra palavra. Sejam pais, cônjuges, filhos. E tem toda a razão quem disse que as dores não se medem. Não é possível medir, comparar, dizer «a mim doeu mais que a ti», «a minha dor é maior do que a tua». O tanas. Cada um sabe o que lhe vai na alma, no peito, nas entranhas inteiras.
A verdade é que, apesar de já ter lidado com muuuuuitas histórias te-ne-bro-sas (ossos do ofício), e de já ter uma carapaça jeitosa para aguentar vários embates de testemunhos que vou ouvindo, hoje acho que fiquei um bocado abananada com as histórias que me chegaram aqui ao email. Há pessoas que parecem ter nascido para sofrer e sofrer, caramba! Não se preocupem, não vou falar de fé.
Vou ter com a dona Constança. E falar de fábulas, que ela gosta.
Até mais logo, então.

Precisava...

Não se pode propriamente falar em vencer o luto. Porque há perdas que nunca se superam completamente. Há dores que não passam. Há saudades que ficam para sempre. Mas, ainda assim, queria encontrar por aí quem tenha perdido um marido, uma mulher, prematuramente, ou, mais terrível ainda, um filho. Mas que, apesar da dor, tenham conseguido reerguer-se e refazer as suas vidas. O testemunho será para o programa Nós Vencedores que é, como se sabe, um programa da Antena 1 que procura dar sempre o lado positivo da vida. O lado optimista e lutador. E, por isso, queria encontrar por aí quem tenha tido esta dor profunda, mas que tenha conseguido, com muita força, dar a volta. E até voltar a sorrir. Testemunhos que dêem força a quem esteja a passar pelo mesmo, mas que se sinta a afundar.
Emails para: sonia.morais.santos@gmail.com
Obrigada!

P.S: E, sim, já contactei a Associação Âncora mas ainda aguardo notícias. :)

E terminou!

Obrigada a todos (muuuuuuuitos) os que participaram. São quase 200 concorrentes, muitos deles com fotos ou vídeos criativos, que deram muito trabalho. Obrigada, mais uma vez, às marcas que não quiseram deixar de estar presentes neste mega passatempo do 4º aniversário do blogue.
Agora vou ver, rever, analisar. Vou ter muito trabalhinho pela frente. E vou precisar de muita coragem para escolher apenas dois. (suspiro)

Pág. 8/8