Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Ultra Trail Rocha da Pena

Levantámo-nos às 5.45. 

Juro.

5.45. Em férias.

Ai, se me tivessem dito que um dia eu...

Adiante.

Tomámos o pequeno-almoço, vestimo-nos, pegámos no Mateus com todo o cuidado (os outros tinham ficado a dormir, na véspera, na casa dos nossos amigos Lagoas - OBRIGADA AMIGOOOOS!) e fomos para o carro, a caminho de Loulé.

O meu cunhado esperava por nós.

Deixámos o Mateus a dormir no hotel com a minha irmã e sobrinho. 

Fomos para Salir.

Chegámos e ficámos malucos com o recinto desportivo. Com pista de atletismo e piscina e condições de luxo! Ali, no meio da serra (ia dizer no meio do nada mas não quero ofender quem por ali vive).

A partida para os 25 km foi às 8h (a dos 60 km tinha sido às 7h, a dos 15km foi às 9h e a caminhada dos 15km foi às 9h30).

Percebemos rapidamente que íamos ficar em último. O senhor António Cabral (mais conhecido por toda a gente por Cabral) ficou connosco até ao fim - foi como voluntário e a sua missão na prova era ser uma espécie de carro-vassoura dos 25km. Um homem de 61 anos que já fez não sei quantas maratonas e ultra-maratonas ali a levar com os dois pastelões. Ninguém merece. 

Durante muito tempo achei que o trail não era assim tão difícil. Afinal... fizemos o Trail Monte da Lua, em Sintra, que quase não nos permitiu correr, tal era o que tínhamos de subir e descer (de gatas para cima, de rabo no chão para baixo). Neste tail do Algarve há muitas partes planas em que é possível ir a correr, e por isso corremos muito, o que não significa - na verdade - que isso o torne menos cansativo. As paisagens eram muito bonitas. Apetecia ficar a contemplar aquele Algarve diferente.

O pior foi a parte final. O QUE FOI AQUILO, SENHORES???? QUE SUBIDAS ERAM AQUELAS??? De cada vez que eu olhava para uma das subidas finais e começava a protestar, o nosso fiel camarada Cabral ria-se e dizia: "Esta ainda não é nada... Esperem pela subida da morte". Nós achámos que ele estava a exagerar. Só que... não estava. 

A subida foi de tal ordem que ele teve de me dar a mão e puxar-me, porque eu tinha medo de cair para trás (tal era a inclinação da bicha). No final (não sei quantos metros tem mas é in-ter-mi-ná-vel) estava uma menina a borrifar o pessoal com uma água fresquinha que sabia tão bem (por acaso era leitora do blogue e que começou a puxar por mim "vai Cocóoooooooo!").

Depois da subida, veio a querida descida "Arranca Unhas". Nomezinho simpático...

Acabámos em 4 horas e 50.

Ainda me ri porque quando entrámos no complexo desportivo, começámos a ouvir nos altifalantes "E eis que chegam os últimos participantes dos 25 km!" Não é que não soubessemos que éramos os últimos mas... é sempre um pouco deprimente escutá-lo de viva voz. 

11870749_833280563445494_1887040317234570676_n.jpg

11913388_10204882931742249_50747569_n.jpg

11911947_10204882931382240_1628163117_n.jpg 

11911545_10204882930382215_2092653805_n.jpg

11911068_10204882934502318_1778067472_n.jpg

11910696_10204882931502243_131416256_n.jpg 

11880087_10204882934142309_470501217_n.jpg 

11903425_10204882928502168_840629806_n.jpg

11910696_10204882921661997_2103741833_n.jpg 

11903349_10204882918821926_1570009169_n.jpg

11874088_10204882918181910_1609589963_n.jpg

11866437_833351843438366_5083720987333539188_n.jpg

11874108_10204882915861852_635819562_n.jpg

O meu cunhado fez uma menos uma hora que nós porque é uma verdadeira lebre (e fez lindamente em descolar-se das tartarugas).

 

Tenho de dar os parabéns aos organizadores da prova. Muito, muito bem organizada. Só fui a dois trails na vida mas este deu 15 a zero, em termos de organização, ao do Monte da Lua. Lamento, mas as verdades são para se dizer. A sinalização dos caminhos tornava praticamente impossível que alguém se perdesse, os postos de abastecimento eram excelentes, havia sempre gente a controlar a passagem dos atletas, escrevendo os números do dorsal, certificando-se que ninguém se perdia. Mais: como íamos com um dos voluntários da organização, pudemos perceber muito dos bastidores através do rádio que ele levava ligado. Às tantas, um dos atletas que estava em primeiro lugar dos 60 km sumiu. No posto de controlo seguinte já não estava em primeiro lugar e as vozes no rádio começaram a comunicar umas com as outras, de posto em posto, à procura dele. Havia tensão, comecei a perceber que estavam a deslocar-se para o encontrar. Finalmente apareceu. Tinha caído, partido a cabeça mas já estava de novo em prova, a disputar o primeiro lugar.

No final da prova havia almoço. E durante o trail as famílias dos atletas podiam ficar a desfrutar do dia de sol na piscina. 

A sério: os meus parabéns! 

Para o ano... para o ano logo se vê se volto. Não é por nada... mas hoje ainda tenho dificuldade em dizer que me meto noutra. Estou um farrapito.

Ah, e obrigada, Cabral! Quando for grande quero ser assim.

 

 

18 comentários

Comentar post

Pág. 2/2