Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Queixinhas

Se há coisa que me encanita é gente permanentemente insatisfeita. Não falo daquela insatisfação produtiva, de quem é ambicioso e quer sempre mais e melhor para si. Essa é boa, faz andar para a frente e, geralmente, para cima também. Não. Falo da insatisfação meteorológica. Senão, vejamos. Levámos com o pior Outono/Inverno das últimas décadas: chuva, frio, núvens, um inferno. As pessoas, essas de que falo, diziam: Ai e esta chuva que não passa, ai credo que já não se pode, ai tanta chuva meu Deus que depressão, ai o meu rico sol, ai o que eu fazia era ir viver para o Brasil, se pudesse, e mi-mi-mi-mi-mi-mi, e beca-beca-beca-beca-beca-beca. Agora, que o sol e o céu azul parecem ter vindo para ficar (ou então não, sabe-se lá), essa mesma gente vem e dia: ai que isto é calor demais, ai está que não se pode, ai bem que podia estar mais fresquinho, ai que sufoco, ai que isto deixa-me toda espapassada parece impossível.
Oh minha gente, e que tal decidirem-se? Tenho para mim que são estas queixinhas constantes que baralham o São Pedro, coitado, lá em cima de roda das núvens. Olha, estão chateados, vou fazer chuva. Ah, afinal têm carência de sol vou dar-lhes calorzinho! Ops parece que exagerei, lá vai um bocado de chuva. Não me admiro nada que, um dia destes, ele deixe o interruptor da chuva sempre ligado, tome um Xanax e durma durante um ano ou dois, só para não ter de nos aturar as indecisões. E depois é que vão ser elas.

10 comentários

Comentar post