Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Mudar de Vida #4: Julien

Saímos de Lisboa, eu e a Raquel Brinca, rumo a Coimbra, com o objectivo de entrevistar uma pessoa que mudou de vida (e cuja história já publicámos AQUI). Fizemos então a entrevista, almoçámos em Coimbra e, de seguida, metemo-nos no carro e fomos à procura da aldeia de Podentinhos, porque queríamos conhecer e conversar com o último morador da aldeia, um idoso a quem o município de Penela andava a testar a entrega de comida por via de um drone (notícia AQUI).

Perdemo-nos, andámos às voltas, e ao fim de um bom bocado lá demos com uma casa rodeada por ruínas, no meio do nada, que calculei que pudesse ser a casa do senhor Joaquim. Bati à porta mas... ninguém abriu. Ficámos ali a fazer barulho, a ver se assomava alguém à porta, mas não. Nada. De repente, ao olharmos em frente vimos uma placa a dizer "Parking". Como assim, Parking? Parking do quê se ali não havia nada? Metemo-nos no carro e fomos espreitar. Outra placa a dizer "Uxa Paraíso. Open Air Hotel". Vimos várias auto-caravanas e roulottes, espalhadas pela serra, uma casa de pedra, em construção, algumas pessoas. Saí do carro e perguntei se ali era Podentinhos. Que sim. Indaguei pelo senhor Joaquim. "O senhor Joaquim está doente e a viver em casa do irmão". Ah. Então e isto aqui, é o quê? É um hotel ao ar livre. Ah. Você não é português, pois não? Não, sou francês e estou aqui a construir isto. Hummm... Podemos conversar?

UxaParaiso_3129.jpg

 

Foi assim que, em vez de entrevistarmos o único habitante idoso de uma aldeia, acabámos a conhecer um francês que decidiu mudar de vida e estabelecer ali o seu projecto, o seu sonho. Ali, em Podentinhos, uma aldeia perdida na serra do Espinhal (se não estou em erro). 

Julien tem 38 anos. Francês, parisiense, engenheiro térmico. Cansado do corre-corre da sua vida, do stress, da agitação da cidade-luz. Julien tinha o sonho de abrir um parque de campismo há uns 10 anos. A paixão pelas autocaravanas era ainda mais antiga. "Quando eu era criança, o meu pai comprou uma Pão de Forma e andámos três meses, em família, a percorrer a Califórnia e a Flórida. Eu tinha 3 anos e a minha irmã um ano e meio (só mais tarde nasceu o meu terceiro irmão). Aquela viagem marcou-me e acho que o bichinho das autocaravanas nunca mais me saiu. Comprei a primeira quando tinha 18 anos. Aquela ambulância alemã antiga que ali está foi a minha terceira. Sempre andei a descobrir França e a Europa de autocaravana. Quando descobri a Croácia pensei: é aqui. Vou construir aqui um parque de campismo."

Mas a Croácia ainda ficava longe e, em 2008, Julien conheceu Portugal. Entrou pelo Norte, seguiu até ao Porto e continuou pela costa até Sagres. "Pensava que seria parecido com Espanha mas não. Gosto muito mais de Portugal, é mais autêntico. Fiquei a achar que tinha finalmente encontrado o país certo."

Quando chegou a Paris, depois dessas férias, o chefe quis terminar o contrato. E ele, em vez de sentir tristeza, sentiu alívio. "Tinha a cabeça cheia de sonhos e pensei que era chegado o momento de cumprir a minha aventura."

Julien saiu então de Paris, com a sua autocaravana, e veio para Portugal como voluntário. "Fazia vários trabalhos e recebia comida em troca. Ganhava experiência. E dois anos depois, decidi que tinha de encontrar a minha própria terra, para me fixar. Pensei no Alentejo, mas achei calmo demais. Depressivo. Depois de alguns meses, abri o mapa, vi Lisboa, vi Porto e pensei: algo que fique a meio caminho! Coimbra! Vi a serra. Vim até aqui e, uma semana depois, encontrei este terreno, com a casa. Estava à venda por um bom preço e a topologia era a ideal - se repararem faz uma espécie de anfiteatro. E assim foi."

Comprado o terreno, em 2015, foi preciso limpá-lo e, com o projecto de um arquitecto aprovado na Câmara, começar a construir as plataformas de madeira onde, no Verão, se montam as tendas e onde uma das roulottes está assente. Também foi preciso construir os telheiros e os caminhos. As roulottes e as autocaravanas têm casa-de-banho, chuveiro e água quente. Com ele, estão voluntários de vários países, que fazem exactamente como ele, em tempos, também fez. Trabalham a troco de comida e dormida. Neste momento são todos alemães mas, em Dezembro, havia 1 israelita, 1 americano, 1 inglês e um italiano. 

O primeiro ano foi deprimente. Durante o Inverno, sempre que chovia a cântaros, Julien ficava fechado dentro de casa, sozinho com as suas dúvidas: será que isto é uma loucura? Alguma vez isto será possível? Estarei a gastar todas as minhas economias para nada?

No Verão passado, Julien abriu ao público. Chamou ao seu projecto Uxa Paraíso, porque consta que, no meio da serra, aquele vale tem o nome de Vale da Uxa. Ainda longe de estar como ele o sonhou, teve casa cheia. Belgas, holandeses, ingleses. 30% da ocupação fez-sede portugueses, amantes da vida ao ar livre, ávidos de silêncio, o silêncio que Podentinhos tem para dar e vender.

A casa onde vive vai ser ampliada e Julien também quer construir um bar que tenha refeições ligeiras para disponibilizar aos hóspedes deste "open air". Faltam outros detalhes mas, com tempo e paciência, vão-se construindo. Devagar se vai ao longe.

A família de Julien apoiou-o sempre (ainda que, lá entre eles, até possam achar que não joga com o baralho todo). Vivem todos em Paris, pai, mãe e irmãos. "Não sinto nenhumas saudades de Paris. Nenhumas. Aqui estou em contacto com a natureza e acabo por ter mais contacto com pessoas do que tinha em Paris. Numa grande cidade pode ser-se mais sozinho do que aqui, na solidão desta serra. E em Penela, que está aqui ao lado, há quase tudo. Agora só quero continuar a construir o Uxa Paraíso para ficar pronto para a primavera e o verão. Espero ter cá muitas pessoas, neste paraíso na terra que é meu, mas que sabe ainda melhor quando é partilhado com outras pessoas."

UxaParaiso_3179.jpg 

UxaParaiso_3176.jpg

UxaParaiso_3180.jpg

UxaParaiso_3167.jpg

UxaParaiso_3170.jpg

UxaParaiso_3133.jpg

UxaParaiso_3120.jpg

UxaParaiso_3143.jpg

UxaParaiso_3099.jpg 

UxaParaiso_3096.jpg

Fotografias: Raquel Brinca, HUG

 

Visite e saiba mais sobre este Open Air Hotel aqui: uxaparaiso.com

Ou na página de facebook AQUI.

8 comentários

Comentar post