Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Lost in translation

Pequena Mada vê um bebé minúsculo ao colo da mãe. Aproxima-se e, com todo o cuidado, dá-lhe festinhas nas mãos e nos pés. O bebé que, vim a saber depois, tem apenas 1 mês de vida, sorri-lhe um daqueles sorrisos atrapalhados, de quem só agora mesmo aprendeu a sorrir. Ela enternece-se e põe-se em bicos de pés para lhe dar um beijo na cabeça. Depois, vem ter comigo e pergunta:
- Como se chama o bebé?
- Não sei - respondo eu. - Mas vai perguntar à mãe dele.
Ela foi. Quando voltou, vinha desanimada.
- A mãe dela é inglesa (por acaso era russa mas para a Mada tudo o que não fala português é invariavelmente inglês) e eu não percebi nada do nome.
- Oh, paciência. Era querido, não era?
Ela disse que sim. E fomos à nossa vida.
Mais tarde, falou-me do bebé e disse que gostava de ter um bebé cá em casa. Uma menina, uma mana. Para lhe pegar, para dar banho, para mudar a fralda. Eu, pensando para com os meus botões como esse desejo está cada vez mais longe da realidade, sorri-lhe. Ela, que não lê pensamentos, perguntou:
- Se tivermos uma bebé cá em casa... dá para ser portuguesa?

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2