Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Entregues aos bichos?

Fui com pequena Mada à alergologista. Todo o quadro dela aponta para uma potencial asma, herdada da mãezinha, claro está, que isto é uma fotocópia de mim até aos brônquios. Depois de a auscultar, a médica concluiu que ela ainda não está bem e que precisa de fazer bombas (câmara expansora) de Ventilan e Atrovent. Além disso vai ter de fazer de forma continuada e persistente (vou ter de ser uma menina bonita e ver se não me esqueço nunca) o Singulair, o Zyrtec, o Seretaide inalador.
Saímos da consulta e lá fomos nós à farmácia, cantando e rindo. Mas as notícias na farmácia tiraram-me o sorriso e a vontade de cantar.
- Singulair? Ui... Seretaide? Atrovent PA? Isto vai ser um problema...
Explicou-me então a farmacêutica que os medicamentos estão todos a ir para fora porque por cá não rendem o suficiente. Já não é a primeira vez que me dizem isto e também já ouvi notícias sobre esta fuga dos nossos remédios para outras paragens. Mas agora que me atingiu directamente, agora que tenho a miúda a precisar de ajuda para respirar, enervou-me um bocado.
A senhora foi incansável e iniciou enão uma busca desenfreada pelos medicamentos em falta. Ligou para seis (6!) fornecedores. Conseguiu uma (1!!) embalagem de Singulair (a receita pedia dois, mas antes um que nada) e uma (1!!) embalagem de Seretaide. Chegam na quarta-feira. O Atrovent PA não existia em nenhum dos fornecedores. Isto é normal? Terei de ir ao estrangeiro de propósito para comprar os remédios para a minha filha conseguir respirar? E o Infarmed sabe disto e não faz nada? Eu começo mesmo a ter medo do estado a que tudo isto está a chegar.

73 comentários

Comentar post

Pág. 1/8