Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Amizade

Tenho a sorte de ter alguns amigos verdadeiros. Daqueles que - aposto - se levantariam da cama a meio da noite se lhes ligasse a pedir ajuda. E dos que - não menos importante - serão capazes de pular de felicidade quando alguma coisa de realmente fantástica acontece na minha vida. Para mim, estar lá nos momentos infelizes é essencial, mas saber ficar feliz com as alegrias alheias não é menos importante. Eu faço por estar presente em ambos, na vida dos meus amigos. Falharei algumas vezes, como também falham comigo, é a vida. Mas nos momentos mesmo importantes procuro não falhar.

Isto tudo para dizer que a correria em que vivemos, por vezes, afasta-me dos meus amigos e isso aborrece-me. Durante a semana estou sempre a mil e não consigo combinar coisas, ao fim-de-semana lá se combina qualquer coisa com alguém mas depois os miúdos têm de estudar e não podemos fazer os programas que gostaríamos e assim se passam semanas sem pôr a vista em cima de pessoas de quem gosto muito, muito.

Ontem fui jantar com uma grande amiga. Combinámos, comprei o jantar, levei uma garrafa de vinho e foi tão bom. Contámos as novidades, desabafámos, rimos. Às vezes, quando não há meio de surgirem as oportunidades para estarmos juntos, é preciso criá-las. Inventar. 

Há pessoas que naturalmente fui deixando "cair" da minha vida. Não me zanguei com elas, não estou ofendida, não tenho cobranças a fazer (já dei para esse peditório). Apenas deixei de fazer ginástica e acrobacia para encontrar tempo para estar com elas. Porque se não fosse eu a fazê-lo nunca havia o movimento contrário. Se não fosse eu a marcar jantares, almoços, festas, nunca lhes punha a vista em cima. E eu percebo, claro que sim, a vida empurra-nos para direcções opostas e não há maneira de conciliar para tudo. Mas, por isso mesmo, prefiro empregar o pouco tempo que tenho com os meus amigos mais verdadeiros. Aqueles que me fazem levantar da cama a meio da noite se precisarem de mim, aqueles por quem pularei de alegria sincera nos momentos felizes. 

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2