Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Entrega do donativo dos workshops à AJU

Foram 9 workshops #Receitaperfeita, cada um com 12 participantes. Cada pessoa deu 15 euros, não para pagar o workshop em si (os workshops do Cooking Memories têm o valor de 40€ por pessoa) mas para a Fundação AJU, que ajuda anualmente 350 famílias, não numa lógica assistencialista, mas na perspectiva de dignificar as pessoas e de as capacitar para uma vida autónoma. Houve quem não tenha ido ao workshop, por imprevistos de última hora, mas que doou os 15 euros na mesma.

Na segunda-feira fui entregar o cheque com o valor amealhado à AJU. Conheci a Ana e a Paula, falaram-me do seu trabalho, das tantas pessoas que ajudam, bebés, crianças, adolescentes, adultos, grávidas, idosos, em projectos diferentes, todos eles tão bonitos que fiquei com a certeza de ter escolhido bem (obrigada, Zé Carlos, por me teres dado a conhecer a AJU).

Em breve conto-vos mais sobre o tanto que esta associação faz.

Foi incrível sentir a alegria da Ana e da Paula quando viram o cheque. Fartei-me de avisar que não era nenhuma fortuna mas elas saltaram-me literalmente ao pescoço. Não há sensação melhor do que esta.

 

Obrigada a todos os que participaram nos Workshops #Receitaperfeita e que permitiram que este valor fosse entregue!!! Não sendo nada do outro mundo já é uma ajudinha.

Este ciclo de workshops fica fechado. Venha o próximo!

AJU_4175.jpg

AJU_4183.jpg

 Fotografias: Raquel Brinca, HUG

 

 

Dois mundos que não se cruzam

Ontem, Dia do Pai, o pai foi convidado a ir à escola do Mateus. 

O Mateus, ao vê-lo chegar, correu para o seu colo. E ali ficou, abraçadinho, provavelmente sem conseguir acreditar que era ele que estava a ir buscá-lo à escola, tão cedo, tão bom.

Só que... a seguir era suposto cantar e desenhar e fazer um lanche.

O Mateus não gostou. "Caja". "Vamos pa caja".

"Não... espera... vamos ficar aqui um bocadinho", dizia o pai.

O Mateus fechou a cara, carregou o sobrolho.

E não cantou, não respondeu a perguntas, não interagiu mais.

Já não é a primeira vez que isto acontece. O Mateus adora a escola e adora a casa. Misturar as duas coisas é que não. Ter a mãe ou o pai misturados com as educadoras e com os amiguinhos? Nah! Mas que salganhada vem a ser esta? Que promiscuidade vem a ser esta? 

Para ele há uma linha que separa dois mundos distintos. Dois mundos que não se cruzam. E quando se cruzam, o miúdo entra em curto circuito. 

Casas onde a cocó não se importava de morar #88

Fica no Príncipe Real. É uma moradia T4, com uma área útil de 850 m2. Aaaaaaah, putos, o que vocês podiam correr! E jogar à bola, e ao mata, e às escondidas! 

O terreno tem uma área de 829m2. Eisssssh... tanto que se pode fazer em 829m2!

A casa tem 3 pisos, o edifício tem uma fachada de azulejos do início do século XX, e o jardim tem piscina.

No piso zero fica uma sala com 140m2, a entrada principal e uma casa de banho.

No primeiro piso, sala em open space com 305m2 (trezentos e cinco metros quadrados de sala? Nossa!). Uma cozinha de 35m2 e uma casa de banho.

No segundo piso, fica a suite principal com 160m2 (pequenita, a suite 😂) com duas casas de banho (sonhooooo - eu com uma, o Ricardo com outra). Há ainda uma suite com closet de 48m2 e outra suite com 34m2.

No piso -2 garagem para 12 carros (DOZE CARROS???) e arrecadações.

Loooongos suspiros.

Custa 4.500.000 euros. 

Mais AQUI

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434b0.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434ba.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434ae.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434ab.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434aa.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434a7.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434a5.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434a3.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434b8.jpg

ID6e094500-0000-0500-0000-0000024434b6.jpg

 

 

Hora do Planeta: concerto solidário já no dia 25 de Março

Cartaz_Hora do Planeta 2017.jpg

 

A Hora do Planeta é já no dia 25 de Março e é a maior campanha ambiental do mundo, mobilizando milhares de milhões de pessoas em mais de 8000 cidades e vilas de 178 países e territórios, incluindo Portugal.

Este ano, reunem-se no Parque Eduardo VII vozes bem conhecidas dos portugueses para um concerto único à luz das velas, às 20h. André Sardet, Matias Damásio, Raquel Tavares, Tiago Bettencourt, Tito Paris, Samuel Úria, Enoque e Janeiro.

O concerto assinala a Hora do Planeta em Portugal, uma iniciativa global ambiental da WWF, que visa alertar e sensibilizar a população, empresas, governos e comunidades a assumirem compromissos e hábitos mais sustentáveis em prol da sustentabilidade do planeta.

Os bilhetes encontram-se à venda nas bilheteiras das lojas FNAC e na BOL com um custo de 10€ e entrada gratuita para crianças até aos 12 anos, desde que acompanhadas por adulto pagante. Os lucros deste concerto revertem para a WWF e para os seus projetos em Portugal.

 

Nós vamos!

Venham daí também!

Dia do Pai

Não imagino, não consigo imaginar melhor pai para os meus filhos. De resto, só assim se explica que tenha tido quatro. Se o pai não fosse o espectáculo que é... não me tinha aventurado a tanto. 

Agradeço todos os dias ao Universo por nos termos cruzado nas escadas do Diário de Notícias (que agora é só um edifício vazio cheio de histórias para contar) e por termos construído, ao longo destes anos, esta família tão boa. 

manel1.jpg

Manuel, 2001 

martim.jpg

Martim, 2005

mada2.jpg

 Madalena, 2009

mateus.jpg

 Mateus, 2014

 

pai e filhos.jpg

19 Março 2017

Sábado foi também dia de... Clube de Leitura Cocó!

Da primeira vez que lancei o desafio de nos "obrigarmos" a ler um livro por mês, recebi imensos comentários a dizer que sim, que era óptimo, pessoas várias que também sentiam que os livros iam ficando postos de parte em detrimento de outras actividades mais estupidificantes e menos exigentes, e que era muito bom ter um estímulo para regressar às leituras. Inscreveram-se 150 pessoas no Clube de Leitura e eu pensei: quando for para juntar esta gente toda estou frita! Onde é que os meto? 

Depois, passou um mês. Um mês para a leitura do primeiro livro. Era chegado o momento de reunirmos, para conversarmos sobre as nossas leituras. Quando defini o dia e a hora já sabia que o número de pessoas ia encolher. Ou porque é o dia de anos da avó, ou porque estão a trabalhar, ou porque vão para fora de Lisboa, ou porque ainda não conseguiram acabar o livro, etc. É o normal nestas coisas. Então, assim foi. Inscreveram-se 30 pessoas (eu achava que tinham sido 26 mas depois, à última da hora, houve mais 4 inscrições, que não cheguei a ver e, por isso, não cheguei a enviar email com o local - peço desculpa pela falha!)

Depois, foram surgindo os imprevistos. E as pessoas que disseram que vinham e não apareceram. Feitas as contas, ficámos nove. E foi mesmo, mesmo, mesmo giro. Grupinho bom que ali se juntou. Acabou por ser uma reunião muito intimista, em que dos livros de passou para a partilha de experiências da vida, histórias de infância, gargalhadas, emoções. Levei bolinhos, alguns gentilmente oferecidos pela Ana Ramos, da Açúcar & Chocolate q.b., e havia chás vários e sumo.

IMG_7450.jpg

IMG_7464.jpg

IMG_7453.jpg

Bolachinhas da Açúcar & Chocolate Q.B. 

 

Três de nós lemos a Amiga Genial, de Elena Ferrante (eu, a Sílvia e a Isabel). A Beatriz leu O Homem de Constantinopla, de José Rodrigues dos Santos (sobre a vida de Calouste Gulbenkian); a Célia leu O Quarto de Jack, de Emma Donoghue; a Didi leu O Luto de Elias, de João Tordo; a Bárbara não acabou de ler Os Cisnes Selvagens, de Jung Chang (mas fez muito bem em ir na mesma e em contar o que já leu, que nos deu a todas vontade de ler também); a Ana resumiu As Altas Montanhas de Portugal, de Yann Martel, e a Sandra contou-nos a história de Viver Depois de Ti, de Jojo Moyes.

O encontro foi às 17.30 e ficámos até perto das 20h. Adorei.

meninas tertúlia.jpg 

livros tertúlia.jpg

 Daqui a um mês, mais coisa menos coisa, há novo encontro. Se for metade do bom que este foi... já é perfeito.

Sexta nadar, sábado pedalar, domingo correr

Sexta-feira foi dia de nadar em águas abertas. Sou muito friorenta, às vezes nem no verão consigo entrar no mar ou na piscina por achar que a água está sempre gelada, por isso achei mesmo que podia não conseguir. Eis a chegada à praia de Caxias.

água 0.jpg

água 01.jpg

A Raquel emprestou-me o fato que, segundo os experts nesta coisa dos triatlos, é demasiado fino e, por isso, deixa entrar mais o frio. Paciência. Foi o que se arranjou. O baptismo nisto dos treinos em águas abertas (leia-se mar ou rio) não se podia ter dado com melhor companhia. Também foi a estreia do Zé, que é só a pessoa mais bem disposta que já conheci, e da Lina (que também se meteu nisto mais ou menos sem saber como), tudo supervisionado por mister Pedro Almeida. O meu querido homem e alguns amigos das corridas foram uns queridos e apareceram na praia de Caxias para ver o espectáculo marinho. E lá se fez. O primeiro embate na água foi duro (que frio do caneco), mas depois nadámos 1300 metros que foi uma beleza. Às tantas, quando parámos um pouco para descansar, ficámos ali a ouvir o silêncio, sozinhos no mar, e até soube bem.

água 4.jpg

agua 1.jpg

água 5.jpg

No sábado de manhã... foi dia de pedalar. O Zé tinha 100km para fazer (ele vai fazer o half ironman já no dia 9 de Abril), o Francisco tinha outros tantos no seu plano, eu tinha de fazer 40km. Fomos para o Guincho e andámos ali entre a Guia, o Guincho e Cascais. Foi também a minha estreia na bicicleta na estrada - até agora só tinha pedalado em casa, com a bicha presa numa cena chamada rolos e que me fez pensar em desistir disto tudo (aquilo é uma coisa do demónio, custa mesmo muito). Em estrada achei bastante mais suportável, se bem que nas subidas custa mesmo um bocado e a própria posição na bicicleta é penosa. Mas com a alegria daqueles dois (o Francisco é outro que parece estar sempre feliz) até pareceu fácil.

bicla 1.jpg

bicla 2.jpg

bicla 3.jpg

bicla 4.jpg

bicla 5.jpg

 

No domingo... dia de Meia Maratona. 21 km debaixo de um calor de ananazes. (obrigada à Sport Zone pelo convite)

Feito!

meia 1.jpg

meia 3.jpg

meia 4.jpg

Pero que las hay...

Mateus olha para o tecto e pergunta:

- Quem são aqueles senhores?

Eu olho para o tecto, vejo o tecto, vejo um candeeiro e atiro, a rir:

- Aquilo não são senhores, é um candeeiro.

Ele zanga-se e aponta para o mesmo local:

- Não! Aqueles senhores!!!!!!

Sinto um certo arrepio na coluna (até porque, com 2 anos, o Martim fez-me algo muito parecido) e questiono:

- São senhores ou senhoras?

Ele, que quando diz coisas só por dizer, repete sempre a última opção, respondeu, seguro:

- Senhores.

Olhei de novo para cima e disse:

- Então diz adeus aos senhores, que eles agora vão-se embora.

Ele sorriu, acenou para o tecto e exclamou:

- Adeus, senhoreeeeeeees!

 

😬😱

Mulheres do caraças #2

DejáLú_3872.jpg

Francisca Prieto tem 4 filhos de carne e osso e um quinto feito de papel, palavras e histórias. O último, este de que aqui se vai falar, fez agora dois anos e chama-se Déjà Lu. É uma livraria solidária, ou seja, 100% das suas receitas revertem para instituições que apoiam crianças com trissomia 21. Mas é também um espaço de uma beleza rara. Uma livraria onde os objectos contam - também eles - as suas histórias. Onde tudo está disposto com um carinho e uma graça que gritam amor por todos os lados. Amor como o que se tem aos filhos, pois então. Esta livraria-filho não é por ser solidária que é pobrezinha, feita de restinhos oferecidos, compostos assim às três pancadas. Não. Este filho feito de papel, palavras e histórias é isso mesmo, um filho, e é por isso que está tão bem cuidado e tão brioso, porque é de amor que se trata.

Tudo começou há 11 anos quando Francisca Prieto, grávida do terceiro filho (uma filha) recebeu um teste pré-natal assustador: a filha tinha trissomia 21. E agora? Como ia ser a sua vida? A vida de todos lá em casa? Mexeu-se para procurar saber e consultou Miguel Palha, no Centro Diferenças. A Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21 (APPT21) também tem lá o seu poiso e, assim, Francisca teve logo contacto directo com o mundo novo em que estava prestes a entrar: "Percebi que o Miguel Palha sabia imenso do assunto e que a APPT21 era de técnicos e não de pais. Passei a ir lá de 15 em 15 dias e, quando a Francisca nasceu, ia todas as semanas para fazer o acompanhamento da minha filha. E foi então que percebi que eles eram amadores a fazerem angariação de fundos. Não fazia sentido uma pessoa como o Miguel Palha andar a perder uma tarde inteira para ganhar 200 euros, ele que devia estar apenas concentrado naquilo que fazia - e faz - tão bem."

Francisca, que tinha trabalhado toda a vida em publicidade e que tem alguma dificuldade em estar quieta, aproveitou os conhecimentos profissionais e a sua network para ajudar. "Durante muitos anos fizemos uma então uma ferocíssima concorrência aos cartões de Natal da UNICEF, com aqueles cartões com desenhos dos miúdos" - conta a rir - "Foi bom porque, sendo persistentes, conseguimos devagarinho entrar no top of mind das empresas quando era altura de fazer donativos."

Por outro lado, ajudou a fundar a Pais 21, no sentido de ajudar pais que, como ela, se viam confrontados com um diagnóstico de trissomia 21 e não sabiam o que fazer. Organizavam-se reuniões, trocavam-se emails, e hoje a Pais 21 já é uma associação jurídica aceite, que vai às maternidades, entrega kits de boas vindas a bebés com cromossomas a mais, faz pressão na mudança da legislação, forma professores, ajuda a mudar mentalidades.

Treze meses depois de ter sido mãe de uma menina-21, Francisca teve a quarta filha, Rita. Tudo de rajada, quatro filhos em seis anos. E o quinto? E o filho feito de poesia e prosa? A história do seu nascimento reza então assim:

Um dia, ao fazer arrumações em casa, pôs centenas de livros de lado. "E lembrei-me de fazer um blogue onde se leiloassem os livros. E comecei a fazer lotes, mas sempre o fazia dava-lhe um nome engraçado ou fazia junções improváveis, ou encontrava uma curiosidade qualquer. Por exemplo, fiz uma vez um lote só com livros de Agatha Christie, e para isso contava uma curiosidade: sabem porque é que ela sabia tanto de venenos? Porque foi voluntária num hospital militar na 1ª guerra mundial e era assim que ela sabia matar tão bem as suas personagens. Outra vez fiz: "Hoje: Gabriel Garcia Marquez contra Isabel Allende. Quem ganhará?"

Foi em 2011. O blogue, chamado Dejà Lu, cresceu. Cresceu tanto que Francisca precisou de ajuda: "Odiava a parte administrativa e uma amiga [Maria Faria de Carvalho] estava desempregada na altura e adorava essa parte. Trabalhávamos no sótão da minha casa e num ano vendemos 500 livros. Criámos uma série de pontos de entrega e começaram a chegar cada vez mais livros. Muitos livros." Francisca e Maria faziam vendas em empresas, aproveitando as horas do almoço, que eram excelentes formas de escoarem stock. Mas entretanto, Maria arranjou trabalho, e o blogue parou. Só que os livros doados continuavam a chegar, numa onda constante. 

Um ano depois de o Cidadela de Cascais abrir o Art District, Francisca foi falar com a direcção da pousada. Achava que fazia sentido haver uma boa livraria. "A directora disse que isso não se coadunava com o projecto mas gostou tanto da ideia da livraria solidária que perguntou o que achávamos de ficar com o primeiro andar do restaurante. A primeira conversa foi no final de 2014 e em 2 ou 3 meses montámos a livraria com a ajuda de muita gente. Móveis, sofás, objectos de decoração, tudo oferecido, e as estantes dos livros eram caixas de vinho que nos foram doadas pelos fornecedores da pousada. Sempre tudo feito com um cuidado muito grande de não ter o ar pobrezinho que muitas vezes as pessoas associam a projectos solidários. Queríamos que a livraria tivesse personalidade muito própria e que fosse visualmente uma expressão da personalidade do blogue, que deu origem a tudo."

E foi assim que nasceu o quinto filho de Francisca Prieto, um filho de papel, palavras e histórias. A Déjà Lu funciona apenas com voluntários, que dão o seu tempo a esta causa. Uma pessoa que vem, uma vez por mês, para ficar ao balcão durante o fim-de-semana. Outra que vem 4 horas por semanas só para inserir livros no compurador. Outra que vem apenas à 6ª feira, durante duas horas e meia, para que Francisca e Maria (que como um bom filho a casa tornou) possam ir ao armazém. A paixão dos voluntários é intensa. Há casais de voluntários, há mães e filhos, há irmãos. Já houve voluntários que se casaram e, no casamento, os presentes que ofereceram aos convidados foram livros da Déjà Lu.

A Déjà Lu tem clubes de leitura, promove alguns eventos, organiza lanches e festas: "Ontem tivemos aqui o lanche de uma senhora que fez 80 anos e quis festejar com as amigas aqui na livraria, rodeadas por livros e chás." Também se reune ali o Orange Poets Society, umas senhoras inglesas que organizam sessões de poesia. No Natal, os hóspedes da pousada recebem todos um livro, escrito na língua original de cada um. Enfim. Ideias não faltam, que já se sabe que a mãe do projecto tem alguma dificuldade em sossegar (e ainda bem).

No primeiro ano, esta livraria solidária que grita amor por todas as prateleiras (ou melhor, sussurra, que toda a gente sabe que nas livrarias não se anda para aí aos gritos) conseguiu doar 22 mil euros (20 mil à APPT21 e 2 mil à Pais 21). No segundo ano, o valor doado subiu para os 30 mil euros (27 mil para a APPT21 e 3 mil para a Pais 21).

Neste momento, além da felicidade pelos 30 mil euros doados, Francisca Prieto está a explodir de orgulho porque foi convidada para ir à Feira do Livro de Madrid apresentar a sua livraria tão excepcional.

Para o futuro? "Queremos continuar a fazer acontecer. A fazer deste espaço um lugar bonito, de partilha, não só de livros mas de histórias e de vidas. Queremos continuar a doar dinheiro para ajudar aquelas duas associações a continuarem o seu óptimo trabalho. E agradecemos muito todos os livros que nos doam - eles são sem dúvida muito importantes para que possamos continuar a ter uma oferta rica e interessante - mas queremos convidar todas as pessoas a virem cá conhecer-nos. A virem comprar livros. A levarem um pouco de nós para casa."

Aceitem o convite. A sério. Vão ver que vale a pena a visita.

A Déjà Lu é, claro está, o resultado da vontade de muita gente. Mas, à cabeça, é o fruto da garra, criatividade e dinamismo de Francisca Prieto, uma mulher do caraças.

 

Livraria Déjà Lu

Pousada de Cascais - Fortaleza da Cidadela
Av D. Carlos I, 
2750-310 Cascais
Telefone - 924 058 238
Email - livraria.dejalu@gmail.com

Horário da Loja:
Segunda - Encerrada
Terça a Sexta - das 11 às 19h
Sábado - das 12 às 20 h
Domingo - das 12 às 18h
 

DejáLú_3901.jpg

DejáLú_3911.jpg

DejáLú_3939.jpg

DejáLú_3918.jpg

deja 1.jpg

deja 4.jpg 

deja 3.jpg

Fotos de: Raquel Brinca, HUG (excepto estas últimas três, que fui eu, com o iPhone - estão baças e manhosas e não lhe quero estragar a reputação)