Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Mada no seu melhor

Mada para o irmão Martim:

- Se pudesses escolher um destes super poderes, qual escolhias? Super força ou super inteligência?

O Martim pensou um pouco e, provavelmente decidido a surpreendê-la, respondeu:

- Super inteligência.

Ela sorriu, com um certo desdém.

- Pois. Eu não. Eu escolhia super força porque super inteligência já eu tenho.

 

Auchhhh 😳

(depois admira-se de ser considerada pelos irmãos como "super irritante")

 

 

O dia promete

Ontem à noite chegou um email e várias mensagens ao telefone: "Urgente: amanhã não há aulas". Relembro que já era de noite e que o aviso era para... hoje. Ou seja, os pais foram surpreeendidos por uma desratização-surpresa que lhes trocou - e bem - as voltas. Não sei que raio se terá passado, se uma ratazana apareceu no gabinete da directora ou se uma família de pequenos roedores se pôs a almoçar os livros dos miúdos, mas para ser assim de urgência deve ter sido coisa fina.

Bom... então hoje vi-me com a Mada em casa. Sim senhora. O Ricardo levou o Martim, o Manel foi sozinho, eu levei o Mateus. Quando estava a preparar-me para um compromisso que tinha às 10.30, ligaram da escola do Martim. Que ele estava muito mal disposto, amarelo, e com um ar mesmo doente. Era preciso ir buscá-lo. Porreiro. Liguei ao Ricardo, que se meteu a caminho. 

Eu, por minha vez, fui então para o meu compromisso. Sabem onde, sabem, sabem, sabem? Fi-nan-ças. 

Ooooooooh, prazer!

É o que eu chamo de começar o ano com o pé direito. 😬

Casas onde a cocó não se importava de morar #94

Quero. Esta. Casa. Agora. 😍😍😍😍

Tem 340m2, fica no Príncipe Real e custa 1.950.000€.

No piso de baixo tem uma sala de 47m2, 1 wc completo e um jardim de 145m2.

No piso 1, há uma sala de estar com lareira de 44m2, uma sala de jantar de 26m2, uma cozinha equipada de 18m2. Uma suite com closet com 22m2, um quarto com 18m2, um quarto com 17m2 e outro com closet com 15m2. Um wc completo, um wc social, uma lavandaria.

E pronto. Era lindo. 

Vou tratar de empacotar as coisas, sim?

principe1.jpg

principe2.jpg

principe3.jpg

principe4.jpg

principe5.jpg

principe6.jpg

principe7.jpg

principe8.jpg

principe9.jpg

 

 

O que devem ler os nossos filhos?

Talvez seja desconhecimento meu - e esclareçam-me se estiver errada - mas acho que faz falta uma plataforma que nos ajude a encaminhar os nossos filhos para a leitura. Não falo apenas de livros para as respectivas idades (para isso há o Plano Nacional de Leitura, que já me tem ajudado) mas falo de uma plataforma que tivesse também livros divididos por temáticas, com breves mas interessantes sinopses sobre cada obra, sempre sem esquecer a idade e até talvez a maturidade (qualquer coisa como um quadro onde se assinalava se o livro em questão era bom ou podia ser contraproducente se os miúdos fossem ainda muito imaturos).

Para vos dar um exemplo: cá em casa, os meus rapazes gostam pouco de ler. Nasceram no caldeirão dos smartphones e dos computadores e da internet e das redes sociais e dos vídeos e de tudo o que os distrai, numa sucessão vertiginosa, da leitura que leva tempo, que obriga a uma concentração que temo que não venham a cultivar, que permite reflectir, estar em silêncio.

O Manel, com as aulas de Filosofia e Economia, começou no entando a demonstrar vontade de saber mais sobre política. Diz-se de uma determinada posição ideológica mas confessa ter poucas bases para o afiançar. Queria ler mais para saber onde se situar mas... o que ler? Chego às minhas estantes, vejo alguns livros que talvez o pudessem ajudar mas... será? Vou a uma livraria, olho para as prateleiras e fico sem saber o que escolher. Por onde começar? Que livros são mais adequados para a idade/maturidade dele? É que isto não é de somenos importância. Se ele já tem pouca apetência para a leitura, se lhe der um livro demasiado denso poderei estar a afugentá-lo ainda mais. Mas se for muito infantil pode acontecer o mesmo.

Se houvesse uma plataforma (e reitero: poderá até haver, só que eu desconheço) que tivesse sugestões de leitura, divididas por temas (Ficção, Política, História, Religião, Arte, Arquitectura, Ciências, etc.) e para várias idades... eu acho que poderia ajudar muito. 

Esta plataforma existe e eu é que estou a leste? Há por aí quem sinta o mesmo?

livros.jpg

 

Update sobre o post da doença verde do meu filho

Eram 15.30 quando ele saiu de casa. 

Perguntei:

- Onde vais?

- Onde é que havia de ir, mãezinha?

- Vais para o Sporting??? Já??? Mas... mas... mas... faltam 6 horas! Seis horas, Manel. S-E-I-S horas.

- Então mas tem de ser! Vamos para o pré-jogo!

- Mas vão fazer orações? Vão fazer danças ritualizadas para favorecer a sorte? Vão fazer o quê, seis horas antes???

- Vamos estar juntos, mãe! Vamos estar juntos! Spoooooooorting!

E saiu.

😳

 

Nova Iorque agora em vídeo

A pessoa aprende a juntar vídeos, a cortar e a colar, a meter uma música, e mais não sei o quê, e depois não descansa enquanto não se arma em realizador (e vocês não imaginam o gozo que isto me dá). Pronto, tudo arcaico, singelo, e em alguns casos ruinoso para a vista. Mas é o que temos, para já. A seu tempo poderá nascer aqui um Lars von Trier, um Alejandro González Iñárritu, um Martin Scorsese (ou então não).

Manel, o fanático

Não sei como é que isto aconteceu mas o meu filho Manel tornou-se um sportinguista doente. Que ele seja sportinguista, eu até entendo. O avô e o pai (e agora ele) têm lugar cativo em Alvalade, de maneira que começou desde cedo a ir aos jogos e a vibrar com as vitórias do seu clube, sofrendo com as derrotas. Agora... o fanatismo é que eu não sei de onde vem. Ele acorda a entoar os cânticos leoninos, ele adormece a trauteá-los. Veste verde (e tem muuuuuuita roupa do Sporting), é incapaz de usar roupa ou qualquer acessório ou cadernos ou o que quer que seja encarnado, e diz maravilhas do seu clube, mesmo quando não há nada de maravilhoso para dizer. No outro dia, quando fez análises, quase notei uma certa decepção no seu olhar ao constatar que o sangue não era verde. Dito de outro modo, tem zero sentido crítico. É obcecado. Febril. Doente.

Há dois dias, perguntou:

- Na quarta-feira posso não ir às aulas?

- Oi???

- Como é o primeiro dia... e vou estar tão nervoso...

- Nervoso?? Por ser o primeiro dia de aulas???

- Achas? Por causa do jogo!!!

- Mas... mas... o jogo não é à noite???

- É. Mas eu vou estar em estágio!

 

É óbvio que malhou com todos os ossos na escola, era o que mais faltava. Mais logo, lá irá, primeiro para Alvalade, onde irão os maluquinhos todos fazer sei lá eu o quê, talvez uma espécie de oração conjunta, e depois para a Luz, assistir ao jogo. Só espero que venha para casa feliz e contente. Já merecia assistir a uma conquista de campeonato, pobre alma atormentada.

19511376_10154517591251555_2273817182598488963_n.j

 

Homens e a sua (enervante) síntese

Estamos a ver uma série. Daquelas frenéticas, que nos agarram e fazem ficar acordados pela noite dentro.

Toca o telefone.

É a mãe dele.

A conversa, que até costuma ser mais ou menos breve, leva tempo. Percebo que do outro lado há um relato longo. Ele vai lançando algumas reacções onomatopaicas. Fico curiosa. A televisão tem a imagem parada, à espera de retomar. 

Por fim, desligam. 

Ele clica no play. A série recomeça.

Eu olho para ele, à espera de saber notícias.

Não diz nada.

- Então? O que disse a tua mãe?

- Nada. Está tudo bem.

- Hã? Este tempo todo foi para dizer que está tudo bem? Mas disse em várias línguas???

 

 

(aaaaaaaah, os homens e a síntese. E quando é um acontecimento realmente importante, tipo uma conversa com um amigo que está a passar por um divórcio, por exemplo, e eles chegam a casa e resumem a "está a ser duro", e nós: "mas e o que ele disse? Mas tem outra? Mas está abatido? Chorou? Ainda gosta dela? Mas diz lá, em discurso directo, como é que ele respondeu à tua pergunta". 😳)

Consultório #5

Olá, bom ano!!!

Eis o primeiro Consultório de 2018, com um daqueles temas que azucrinam a cabeça dos pais: o largar as fraldas. Aaaaaaaah, que etapa tão fofinha, tão boa, tão tranquila (estou em exercício pleno de ironia, espero que o excesso de açúcar no sangue não vos tolde a compreensão). Aqui em casa só com a Mada é que foi tudo tranquilo. A rapariga largou tudo aos 15 meses (de dia e de noite). De resto, todos me deram trabalhinho. Aquela coisa de ir à casa de banho de 20 em 20 minutos... aquela coisa de os ver sair da sanita sem terem feito nada e, a seguir, ver uma poça no chão... aquela outra coisa de trocar de roupa 15 vezes por dia (já para nem falar da noite)... pérolas! Pérolas na vida dos pais. 😳

Vejam então as dicas do Dr. Paulo Oom e aprendam. Eu aprendi. E o que me custou ouvi-lo dizer que nunca nos podemos zangar com eles quando fazem fora do penico (literalmente)? Eu bem tento não me zangar mas há dias... ui...

Espero que gostem, partilhem se entenderem que foi útil, e boa sorteeee nessa fase do demo!

 

 

 

Pág. 5/5