Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

As mulheres inspiradoras e o evento que as revelou

_DSC1430-Edit_Final.jpg

O The Woffice foi desafiado pela Activia a encontrar mulheres inspiradoras. Da lista - gigante! - que enviámos foram escolhidas 6 mulheres: Mónica Alves Pereira, Lara Vidreiro, Filipa Neto, Raquel Brinca, Sandra Vicente e Filipa Elvas. Umas decidiram mudar radicalmente de vida para se dedicarem ao que realmente as realiza, outras são empreendedoras, outras superam-se e conseguem o "impossível". O objectivo da marca foi mostrar, justamente, que quando uma mulher quer e está em sintonia consigo mesma... consegue tudo! Claro que ficaram de fora milhões de mulheres que vocês conhecem, que nós conhecemos, e isso só nos pode alegrar: há tanta mulher inspiradora que basta olharmos para o lado para nos sentirmos contagiados.

Cada uma de nós ficou de entrevistar uma (ou duas) mulheres e acompanhar as respectivas filmagens. A nossa Inês registou tudo em fotografia - e ficou tão bonito. O Pau Storch tratou da imagem de grupo, em estúdio, porque a Inês ainda não consegue a proeza de estar na foto e fotografar ao mesmo tempo, bem como das fotografias do evento.

Eu fiquei com a Mónica e com a Raquel, mas hoje trago-vos o vídeo da Mónica Alves Pereira. Advogada, participou num concurso de cozinha na televisão e ganhou. Mudou de vida e criou o Cooking Memories porque o que ela gosta mesmo é de cozinhar e de partilhar amor. Repito o que escrevi sobre ela aqui, no outro dia: tem 2 filhos, um deles tem uma doença chata, e a Mónica tem sempre uma luminosidade e uma boa energia que nem todas as pessoas teriam no seu lugar. Se isso a define? Não. Tudo a define. A inversão de sentido que deu à sua vida profissional, o empreendedorismo que revelou ao criar o seu atelier (e não mais um restaurante), o brilho do seu olhar. A Mónica é uma pessoa que agradeço muito ter-se cruzado no meu caminho. E que agradeço à Activia ter achado que era merecedora de estar neste top 6. Porque era mesmo.

 

 

_DSC5601.jpg

Na segunda-feira aconteceu no Darwin's Café o evento de rebranding da Activia, que tem como assinatura "Viver #insync", ou seja, viver em sintonia. A apresentação esteve a cargo da Júlia Pinheiro (que por acaso faz anos hoje: parabénnnnssssss!) e foi muito giro. Esteve também presente a psicóloga Filipa Jardim Silva, da Oficina da Psicologia, que analisou um mega inquérito que a Activia fez para perceber até que ponto as mulheres se sentiam realizadas e conscientes do seu valor. Os resultados não foram muito positivos no que diz respeito ao reconhecimento que as mulheres acham que os outros têm do seu valor (muito baixo) mas Filipa Jardim Silva preferiu acentuar o facto de que a maioria das mulheres sabia que tinha valor e que estar em sintonia consigo era mais de meio caminho andado.

Não posso deixar de referir que foi um prazer trabalhar com uma marca que não se limitou a descrever as propriedades do seu produto e que foi buscar mulheres reais para inspirar tantas outras. 

_DSC5737.jpg

_DSC5830.jpg

 

Mada no seu melhor

Talvez os vossos filhos sejam brilhantes e, por isso, não se surpreendam com o que vos contarei de seguida. É a vida. Os meus dois rapazes não são alunos de excepção, nunca foram de quadros de honra nem de notas superlativas, também não são de negativas mas diria que a mediania é o seu nome do meio. Têm quatros, têm três, e cincos é quando o rei faz anos. Não me chateia, não me embaraça, não exijo que dêem mais do que o seu melhor e, se é verdade que acredito que este não é o seu melhor, também não é menos verdade que me apraz que tenham as suas vidinhas, que sejam seres sociais, que saiam com os amigos e que façam programas giros, e que não passem o ano sentadinhos à secretária a empinar. De resto, eu fui sempre uma aluna mediana (até à faculdade, em que me tornei melhor aluna) e não me tenho dado mal de todo, felizmente. 

Bom. Isto para dizer que a Madalena é todo um outro mundo. E, como não estava acostumada a isto, não cesso de me surpreender. A rapariga faz diligentemente os trabalhos de casa sem ser preciso mandar, quando porventura se esquece é preciso ralhar com ela e metê-la na cama porque por sua vontade continuaria a fazer os trabalhos madrugada adentro, e agora pediu-me um caderno para... estudar. Este feriado esteve imenso tempo de roda dos estudos e eu sem perceber que raio tanto a criatura estudava. Percebi depois, quando me veio mostrar. Por sua livre iniciativa, decidiu fazer um Abecedário com exemplos de palavras para cada letra, distinguindo essa letra em maiúsculas, em minúsculas e com acentos. Achei a coisa mais querida (adoro os certos à frente de cada exemplo e a palavra Abecedário mal escrita) e creio que esta, se não se perder entretanto com as normais distracções da vida, é bem capaz de sair da mediania.

FullSizeRender-2.jpg

 

Igualdade de Género & Igualdade no Ensino

No dia 13 de Outubro vai haver uma conferência que promete ser muito interessante à qual vou tentar ir.

A conferência é promovida pelo Instituto Miguel Galvão Teles e o tema é "Igualdade de Género & Igualdade no Ensino".

Deixo-vos com o programa para o caso de quererem assistir a algum debate ou a todos, do princípio ao fim.

Captura de ecrã 2016-10-6, às 14.52.38.png

 

Se tiverem interesse confirmem a vossa presença AQUI ou para imgt@mlgts.pt

 

 

Torrente de pensamentos na cabeça de quem corre

trail-running1.jpg

Ah, que belo pace neste primeiro quilómetro, isto hoje vai correr bem, vamos lá! Vão ser 10 km limpinhos. Dia lindo, olha só a ponte, o céu azul, o rio, estou tão feliz por estar viva e com saúde, apetece-me abrir os braços e agradecer mas isso seria só ridículo. Tanta gente a correr, caramba, impressionante. Será que vou conseguir manter este pace? A ver se olho mas é para o chão a ver se não caio. Eishhhh, olha só a velocidade a que este gajo vem! Mas caganda bicho, pá, que passada! Já eu já parava. Hummm, afinal não devo conseguir manter-me nos 5'40''. Boa! Uma música fixe, "I ain't gon'be cooking all day, I ain't your mama/ I ain't gon' do your laundry, I ain't your mama". Estou tão cansadaaaaaa. Acho que vou parar. Não. Paro só mais à frente. Ali há um chafariz, aproveito e bebo água. Olha, vou passar este que há bocado me passou. Eh eh eh. Afinal sinto-me bem. Bora lá. Vou parar no chafariz e beber água. Ok, faltam 5 km, metade já está. Agora é só voltar para trás, rumo a casa! Vou acelerar. Sinto-me mesmo bem. "Baby you bubblin, you bubblin, you bubblin baby/ Gyal you a party animal/ Gyal you active no you no lazy/ Gyal you a party animal" Caraças, falta um bocado para chegar, ainda. 4 km. Parece pouco mas ainda tenho a zona dos restaurantes, depois o passadiço de madeira, depois o das pedras, mais a marina... Estou a ficar farta. Vá, concentra-te, mas é. Concentra-te na música, na respiração. Pensa que já correste uma maratona, mulher, o que é que são 4km para quem correu 42? Mete mas é os olhos nesta boazona que aí vem. E rápida. Vou parar. Não. Epá, não vale parar. Está quase. Se parar já ainda fica um pace apresentável. Se continuar estrago tudo. Estragas nada. Com calma. Este tipo passou por mim quando ia para lá. Já vai morto. Também eu. Olha, 8km! Faltam dois. O que é que são dois? Vou acelerar agora. Dar o tudo por tudo. Tenho calor. Não consigo. Vou parar nos 9km. Ontem corri 8, hoje corro 9. Sempre é uma melhoria. E num pace menos embaraçoso. Eissshhhh. Que vergonha, a sério? Vais parar nos 9? Desistes por 1 km? Ridículo. Não vais fazer isso. Agora está mesmo quase. Vais até lá ao fundo, voltas para trás e está feito. Assim evitas aquela subida. Hum? Vá. Ânimo. Qual ânimo, senhora? Qual ânimo? Estou a morrer, tenho a certeza, o coração está aceleradíssimo, devo estar tão encarnada, tenho tanto calor, deixa ver quantos metros faltam: 300. 250. 200. 150. 100. Aiiiiiiii. Acabei. Acabei. Ah. Ufff. Arghh. 5'42''. Já está! Ainda é tão cedo, ainda o dia está a começar e já fiz isto. Ainda bem que vim. Ainda bem que fiz os 10km e não parei antes. Aaah. Boa!

 

 

Quando me perguntam porque corro... é também por isto. Por este confronto entre dois lados de mim: o resiliente e o desistente. Querem melhor terapia que isto?