Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

One

Ofereceram-me este relógio no Dia da Mãe. Gostei muito dele, tinha a intenção de publicar uma foto catita, mas depois meteu-se não sei o quê, passou o tempo, esqueci-me, já não era Dia da Mãe, caneco.

Só agora reparei que, atrás, estão gravados os nomes dos meus 4 filhos. 

Obrigada, One!!!!! O post está atrasado mas, na verdade, o Dia da Mãe é sempre que uma mãe e os filhos quiserem, ou seja todos os dias.

RELÓGIO.jpg

 

Uma mulher de armas

_IldaAlmeida9621.jpg

 

Não há como escapar à facilidade do título. Ilda Almeida, 72 anos, é a mulher à frente da Casa Diana, uma espingardaria que abriu portas em 1948. A casa foi aberta pelo seu padrinho mas há 37 anos que Ilda assumiu os comandos, tornando-se a primeira mulher em Portugal à frente de uma espingardaria.

A sua história conta-se num instante. Ilda Almeida nasceu numa aldeia do concelho de Arganil (Coimbra). Nesses tempos idos, os estudos dos aldeões ficavam-se pela 3ª classe. Quem quisesse continuar tinha de seguir para Coimbra. Os pais de Ilda não foram na conversa mas quando a filha fez 17 anos já não conseguiram conter o seu desejo de prosseguir com os estudos. Então, mandaram-na para Lisboa, para viver em casa de um casal conhecido. Iria estudar mas também ajudar em casa, no que fosse preciso. Mal sabiam todos que a vida de Ilda estava prestes a mudar para sempre.

A relação entre Ilda e o casal que a acolheu tornou-se próxima. Tão próxima que, certo dia, eles lhe disseram:

- A partir de hoje vais tratar-nos por padrinhos. Nós vamos ser os teus protectores.

E assim foi. Os padrinhos puseram-na a estudar no Colégio Sá de Miranda, na Alliance Française, no Cambridge. Até ao fim da vida, o casal tratou Ilda mais como filha do que afilhada. "Eram os meus segundos pais. Aliás, a minha mãe quando falava comigo perguntava sempre 'como está a tua outra mãe?' Isso nunca foi um problema entre nós. Sempre tivemos tudo muito bem resolvido. Mas o meu amor pelos meus padrinhos era, de facto, um amor de filha. E o amor deles por mim era um amor de pais. Foi uma relação muito bonita."

O padrinho, João Côrte-Real Trigoso, era um amante de caça. E, em 1948, fundou a Casa Diana. "Era a sua paixão. Ele ensinou-me tudo. Eu estudei mas acabei por não ir para a faculdade porque também me apaixonei pela espingardaria. Era o braço direito do meu padrinho. E, para estar à altura, estudei muito: caça, balística, legislação... a paixão dele tornou-se a minha paixão."

Entretanto Ilda casou, teve uma filha a quem deu o nome da madrinha, Beatriz. "O amor que nos unia passou também para a minha filha. Era como uma neta, sem tirar nem pôr."

Quando o padrinho morreu, foi Ilda quem ficou à frente da loja. Tinha então 35 anos. E teve muito que ultrapassar, num negócio que era (e ainda é) de homens: "Um dia entrou aqui um cliente que não quis ser atendido por mim. 'As mulheres não percebem nada disto! As mulheres têm é de estar em casa!' Fiquei danada e mandei-o pôr-se na rua, que ali quem o atendia era eu. 'A senhora veja como fala que eu sou um oficial!' Respondi-lhe: 'Olhe, pior ainda! Se fosse um homem do campo, sem instrução, ainda lhe perdoava. Assim, não tem qualquer justificação". O senhor acabou por voltar, no dia seguinte, a pedir perdão pelo seu comportamento. Perdoei."

Como este episódio, muitos outros. "Logo no início os armeiros concorrentes fizeram de tudo para me cortar as pernas. Houve um que me levou logo os 3 funcionários mais antigos. Achava que dessa forma eu não iria aguentar-me muito tempo. Que ia acabar por vender a casa. Teve azar." 

Os contratempos foram incontáveis. Mas Ilda, mulher de armas, não desistiu: "Há 40 anos não era fácil uma mulher impôr-se. Foi tão difícil que a minha madrinha chegou a dizer-me: 'Filhinha, vamos vender a casa. Não te quero ver nessa luta.' Mas eu nunca o faria. Primeiro por respeito e consideração para com o meu padrinho. E depois pelo amor que eu já tinha a isto."

Hoje sobram as histórias, a sabedoria, o orgulho de ter uma casa muito conhecida que se destaca no mercado pela seriedade e honradez. Há clientes que já acompanham a vida da loja desde que Ilda começou, clientes que se tornaram amigos: "Chegamos a ter três gerações de clientes da mesma família. E apesar de não haver o movimento de outros anos, não me posso queixar." 

Hoje Ilda já não caça. Mas sabe tudo sobre as armas, as classes, os calibres. A mais cara que tem para venda custa para cima de 3 mil euros. Aprecia-lhes o toque, o desenho, sabe montá-las e desmontá-las de olhos fechados. A Casa Diana é parte de si. Gostava que ficasse na família. "Talvez a minha filha... e depois o meu neto... O meu neto gosta muito disto. Vibra, como eu. Pode ser..." Enquanto o pequeno Diogo, de 9 anos, não cresce, Ilda vai ficando. Guerreira, mulher de armas, não desarma. Porque esta é a sua paixão. Porque esta é a sua vida.

_IldaAlmeida9608.jpg

 Fotografias: Raquel Brinca, HUG

 

Casa Diana: Rua Pascoal de Melo, 62. 21 319 2940

 

 

(esta é a primeira de muitas histórias de vida que vão passar a aparecer, de vez em quando, aqui no blogue) 

Uma zebra no parque

Às vezes (muitas vezes) chamo o Mateus de zebra. Nem é bem zebra é mais cêbra, assim com "c". Não sei bem como aconteceu mas foi o nome querido que lhe calhou na rifa. Podia ter sido coelhinho, rato, outro bicho qualquer. Calhou ser "cêbra". Ontem estava no parque com ele. À volta, mais miúdos. Às tantas, olhei para ele e exclamei: "Olá, zebra!" Um miúdo de uns 5 anos ficou atónito a mirar-me. De seguida, olhou o Mateus. Voltou a fitar-me. E depois indagou, a medo:

- Zebra? Ele... ele... ele chama-se... zebra???

 

Estive a rir uma meia hora. 

 

Docinho de Açúcar

No outro dia a Mónica Alves Pereira ligou-me a convidar para participar no seu programa "Cozinha com Amor", que há-de passar em breve na RTP3. Ora até aqui tudo muito bem, não fosse dar-se o caso de termos gravado toda a manhã numa loja que eu podia muito bem ter continuado a desconhecer. Chama-se Docinho de Açúcar e é uma perdição. Tem tudo (mas rigorosamente tudo) o que possam precisar para uma festa. E é tudo tão querido, tão delicado, tão maravilhoso... Perdi-me por lá. E a Madalena, a preparar a sua festa de aniversário, só repetia: "Adoro esta loja!"

O difícil é mesmo escolher. Perdi a cabeça com estas coisas, que trouxe para casa.

Captura de ecrã 2016-07-4, às 11.18.38.png

 

Esta roda para os cupcakes. Não se aguenta! 

Captura de ecrã 2016-07-4, às 11.20.49.png

 Um "M" luminoso

Captura de ecrã 2016-07-4, às 11.38.39.png

 

 Uma caixa de luz e respectivas letras (e símbolos e emojis)

 

 

Além de pratos, copos, uma pinhata, bonecos para pôr no bolo, uma grinalda... enfim. É como vos digo. Podia perfeitamente continuar na ignorância. Mas agora que descobri esta loja lá terei de ir à Parede sempre que organizar uma festa. Parabéns à Mónica (a dona da loja também se chama Mónica) pelo sucesso (começou com uma lojinha pequena e agora está num espaço grande e já vai ter de arranjar um armazém maior). E obrigada à Mónica Alves Pereira por me ter apresentado a este sítio (ou então não). 

 

Praiaaaaaaa!

Fim-de-semana na praia. 

Sábado e domingo.

Ontem a fila para sair de São João era tão grande e estava tão imóvel que acabámos por jantar no Sunset.

As saudades que eu tinha destes dias que parecem não terminar.

MATI PRAIA.jpg

MATI E MADA PRAIA.jpg

MATI E PAI.jpg

todos praia.jpg

E hoje... chove.

Está certo. 

 

Vencedores do passatempo Workshop #Receitaperfeita

Receita perfeita.jpg

 

Os vencedores já foram contactados há mais tempo mas só agora deu para publicar aqui.

Os convivas de hoje à noite são...

- Raquel Lourenço (e acompanhante)

- Sandra Neves (e acompanhante)

- Maria João Vasquez (e acompanhante)

- Elisabete Oliveira (e acompanhante)

- Manuela Cardoso (e acompanhante)

- Mónica Lopes

 

Vai ser uma noite de arrombaaaaaa, pessoas!

 

 

 

 

 

 

Pág. 4/4