Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Um cabelo branco

No outro dia o Martim descobriu o meu cabelo branco. Tenho um único cabelo branco, forte, comprido, quase arrogante no meio dos outros. Já o descobri há algum tempo mas o Martim nunca tinha dado por ele. Quando o viu, exclamou:

- M... m... mãe!!!!! Tens aqui um cabelo branco!!!!!

Sorri.

- Pois tenho. Eu sei.

- É tão grande... Ooooh... mãe... mas... eu não quero que tu fiques velha...

E nisto, ficou de olhos brilhantes, aflito com aquele sentimento que lhe apareceu de repente, sem saber bem o que lhe fazer.

O meu cavalinho bravo. A disfarçar aquela tristeza que lhe tomou o coração. Aquele medo de ver envelhecer a mãe, com tudo o que se isso implica: o seu próprio crescimento, o nosso natural afastamento, a minha perda de vitalidade, o fim das coisas tal como as conhece, e por fim - até - a morte. Tudo ali a passar-se como num filme diante dos seus olhos. 

É o meu filho mais sensível. E o que menos parece ser. Queria muito dizer-lhe que nada mudará. Que ficaremos assim para sempre. Ele debaixo da minha asa, eu com esta idade, tudo seguro e imutável. Meu querido.

Óculos

Foi no dia 8 de Junho que fui às urgências aflita dos dois olhos e saí de lá com o diagnóstico: lesão nas duas córneas.

Porquê? O ventinho da mota nojolhos é muito agradável mas secou-os fazendo com que as lentes roçassem nas córneas, ferindo-as. Auch!

Entretanto voltei ao oftalmologista, ele mandou ficar mais 10 dias sem lentes porque a lesão ainda não estava curada, de maneira que estou há quase 1 mês com óculos. 

Eu gosto de me ver com óculos. 

Mas...

Ainda assim, não me tenho sentido eu.

De maneira que ando calada. Pareço outra. Quase não abro o bico, metida comigo, mais tímida do que o costume.

O Ricardo já se queixou. Perguntou se se passaria mais alguma coisa. 

Nada.

A verdade é que, com óculos, fico assim. Sorumbática.

Hoje foi a primeira vez que os tirei em quase um mês.

Meti as lentes e... eis que voltei a mim. 

Incrível, a mudança.

Mais solta, mais bem disposta, mais descontraída, mais divertida. Mais eu.

Impressionante a diferença. Uma coisa tão pequena, tão insignificante e no entanto tão poderosa. 

Claro que se tivesse mesmo de ser lá me havia de habituar, que remédio.

Mas para já... I'm back.