Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Secret Run!

Ontem fui a um treino diferente. Chama-se Secret Run e é um evento ao qual só se chega depois de descobrir vários enigmas. Os enigmas vão aparecendo e, quem for acertando, passa para a pista seguinte, até descobrir o local exacto, o dia e a hora do treino. Durante o treino, há surpresas, sustos, e novas pistas para desvendar e continuar a correr.
Uma grande, grande ideia do meu amigo Bruno Claro, que já tinha criado a plataforma Correr Lisboa - é um orgulho conhecer gente assim!
A Sport Zone associou-se a esta iniciativa e ontem foi então o primeiríssimo treino! O ponto de encontro era justamente a Sport Zone do Vasco da Gama e, às 22h, começámos a correr. Havia dois grupos, um de 5 km, o outro de 3 km, e encontrei por lá muita gente conhecida. O Bruno tinha-me dito que ia convidar o meu excelso esposo para ser um dos guias mas para não lhe dizer nada, que era surpresa, e eu, cabra do pior, não lhe contei. De maneira que ontem, de surpresa, ficou a saber que ia liderar uma das etapas do grupo dos 3 km. O Ricardo Martins Pereira foi um dos guias do grupo dos 5 km (penauts para ele!).
Foi muito giro, houve malabaristas e contorcionistas pelo caminho, e uma personagem assustadora que aparecia no escuro, de surpresa, com um risinho demoníaco.

Mal posso esperar pelo próximo Secret Run!!!! Mas, quando souber a data e o local, não posso contar nada a ninguém! Shhhhhhhhhhhhhhh.... É segredo! :)


 
  

Se quiserem tentar adivinhar os enigmas do próximo Secret Run vão a www.secretrun.org
Ou visitem a página de facebook AQUI.


Galiza

Que horror. Ao que parece, a velocidade a que o comboio ia era um verdadeiro disparate, mais do dobro da permitida naquele local. E num instante... tudo muda. Muitos nem se terão apercebido do que lhes aconteceu.

Arraial, este sábado



ALeonor tem 4 anos e é de Cascais. O Ivanoel tem 14 anos e vive numa pequenaaldeia de Odemira. Não se conhecem, mas partilham a mesma história: a da lutacontra tumores malignos. Depois de um longo percurso no IPO, a última esperançapara a sua cura reside em tratamentos na Alemanha. Para isso, estes doisguerreiros precisam de angariar verbas para a viagem, alojamento e cuidados.
Umgrupo de mães que não se conhecem mas que partilham as suas dúvidas ealegrias, ao tomaremconhecimento do caso da Leonor e do Ivanoel acharam que tinham o dever moral dese unir, reunir contactos e vontades, e ajudar estas duas crianças naquela queé a sua maior e mais precoce batalha. Assim nasceu o movimento Grão a Grão.

Oobjetivo é só um: reunir dinheiro para que os dois possam viajar até aoestrangeiro e procurarem os melhores tratamentos. Como? Algumas mães vãopreparar comida e bebidas, outras vão doar bens para serem vendidos numa vendasolidária. Há também sorteios e leilões – por exemplo, de uma semana na ilha doSal, em regime de tudo incluído e voos, de um fim-de-semana no Algarve e deaulas de surf e bodyboard.
Paraas crianças, há muitas atividades divertidas, como jogos tradicionais,contadores de histórias, insufláveis, pinturas faciais e manicure.

Amissão já conta com muitos apoios de empresas que solidariamente se juntaram aesta causa.
Oarraial, acima de tudo, será uma festa, cheia de sorrisos, os mesmos quequeremos ver na cara da Leonor, do Ivanoel e das suas famílias e amigos.Podemos não fazer a diferença toda, mas acreditamos que, “grão a grão”, podemosajudar. E que, através desta ação, mais e mais pessoas vão juntar-se a estaonda de solidariedade.

Local:Escola Avé Maria, Alcântara
Data:27 de julho, das 10:00 às 24:00

Páginano Facebook da Grãoa Grão
Páginano Facebook da Leonor
Páginano Facebok do Ivanoel

Palavras acertadas contra a violência

O meu amigo Paulo Farinha escreve bem. E escreve acertado. Na Notícias Magazine e no seu blogue, A Farmácia de Serviço. Mas no dia em que escreveu esta crónica estava particularmente inspirado. Espero sinceramente que este texto ajude muitas raparigas (ou as suas mães, irmãs, tias, amigas) a escaparem ao flagelo da violência no namoro (que desembocará inevitavelmente em violência doméstica mais tarde e, quem sabe, em mais mortes a engrossar a lista de mulheres que sucumbe às mãos de verdadeiros bárbaros). Não, minhas queridas, não os vão conseguir mudar. A não ser que sejam santas milagreiras  (de cuja existência duvido muito) ou portentosas ilusionistas (e estas últimas só iludem, não modificam).
Muito bem, Paulo.
http://afarmaciadeservico.clix.pt/2013/07/a-caminho-dos-cem-mil.html